Cidade

Glossário com os novos espaços dos condomínios

Beauty center, pet zoo, play aventura, agility, tecno house... Traduzimos todos os termos para você

Por: Carolina Romanini - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Basta pegar um panfleto de lançamento de condomínio residencial em São Paulo para ser bombardeado com uma série de termos gringos dados às atrações da área de lazer: beauty center, pet zoo, play aventura, agility, tecno house... O quê? Você também não entendeu o que eles significam? A gente ajuda a "traduzir".

+ Varandas ganham destaque em novos apartamentos

Confira abaixo um glossário com esses novos espaços e alguns nomes de edifício, no mínimo, curiosos:

Terraço Gourmet – é a versão glamourosa do churrasco na laje. Churrasqueira, pia e até forno à lenha são acoplados à sacada do apartamento. Quanto maior o espaço, mais itens ela terá.

Beauty Center ou Beauty Care – está longe de ser um verdadeiro “centro de beleza". Resume-se a uma sala equipada com espelhos e cadeiras, que as mulheres podem usar para fazer a unha. O ideal seria contratar um salão para administrar o espaço.

Fitness Center – aposto que nem nos países de língua inglesa esse termo seja tão usado quanto no Brasil. O nome bonito faz referência à famosa sala de ginástica, com algumas esteiras e meia dúzia de aparelhos.

Play Aventura – local reservado para as crianças que, em geral, possui casas em árvores, tirolesa e trilha. Por que não chamar simplesmente de parquinho?

Pet Zoo – nosso palpite é que seja um espaço para deixar um mico ou, quem sabe, uma arara-azul. O que mais um “pet zoo” poderia significar?

Agility/Walk Dog – é uma expressão já conhecida nas competições de pets, em que o dono treina o cachorro para fazer peripécias. Nos condomínios, virou um gramado com latões para o peludo pular.

Pet Care – uma salinha instalada no térreo com um “tanque” para dar banho no cachorro. Imagina que gostoso para a família que mora no primeiro andar?

Garage Band/Tecno House – sala para a criançada fazer um som sem enlouquecer os pais. De novo, a pessoa do primeiro andar sofre. Deviam dar o apartamento de graça para esse santo, pois não há isolamento acústico que abafe o barulho de alguém aprendendo a tocar bateria.

Family Space – só podem ter colocado uma nave espacial tamanho família no condomínio. Ou será que eles queriam dizer espaço físico? Melhor nem pensar nisso...

Play Baby/Pateo Kids/Espaço Kids – brinquedoteca resolveria, mas não seria tão "fino".

 

  • Nomes de Edifícios

Os nomes dos condomínios não ficam para trás. Parece uma competição de termos estrangeiros misturados a bizarrices cotidianas. O designer paulistano Gustavo Piqueira reuniu em fotos alguns dos nomes mais esdrúxulos. O resultado está logo nas primeiras páginas do seu livro Iconografia Paulistana (R$ 49,00, Editora WMF Martins Fontes, 320 páginas), lançado no ano passado. Selecionamos algumas das pérolas:

Da série reprovaram na prova de inglês:

Ed. Perdizes Laser – Reparem no laser com “s”, de raio laser

Ed. New Space – De novo o space com “s”, de espaço sideral

Ed. King Space – O rei que amava o universo

 

Da série apaixonados:

Ed. Love Land – A terra do amor

Condominio Heartland – A terra do coração

 

Da série baba-ovo:

Ed. John Lennon

Ed. Rembrandt

Mansão Billie Holiday

Ed. Conde de Monte Cristo

Ed. Maurice Ravel

 

Da série simplesmente bizarro:

The Wonder Moema – O prédio que é um milagre, prodígio, de admirar mesmo

Ed. Jet Set – Só pode morar nele quem tem jatinho

Ed. House of Lords – Apenas para integrantes do governo britânico

Fonte: VEJA SÃO PAULO