Tecnologia

Novo vírus preocupa usuários do Facebook

Link para suposto vídeo com conteúdo erótico está circulando na rede e marcando nome de usuários; confira como se prevenir

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

VIRUS FACEBOOK
Vídeo erótico está circulando no Facebook (Foto: Reprodução Facebook)

Um novo vírus está se espalhando pelo Facebook. Nas últimas semanas, usuários têm relatado a inclusão de dezenas de perfis em uma mesma postagem. O objetivo da armadilha é marcar várias pessoas em um link com título ou conteúdo instigante (atualmente, trata-se de um vídeo de conteúdo erótico).

No momento em que clica-se no ícone, abre-se espaço para que um programa publique mensagens no nome do usuário. Automaticamente, o software marca os amigos, que se tornam vítimas do mesmo golpe.

+ Alckmin dá mais 20,4 milhões de reais para Linha 4-Amarela

A principal orientação é para que o internauta não clique em qualquer imagem suspeita. Caso isso ocorra, é necessário ir até o ícone "Aplicativos", no menu esquerdo da rede social, e apagar qualquer programa que não tenha sido instalado por vontade própria. 

O novo vírus também pode afetar o navegador. Portanto, siga algumas dicas:

Google Chrome: clique no canto superior direito, no botão menu, e depois escolha a opção “Configurações”. Clique na opção “Extensões” e verifique se há alguma suspeita. Para removê-las, clique na imagem de uma lixeira do lado direito.

Internet Explorer: selecione a opção "Ferramentas" no alto do canto direito do navegador e clique em “Gerenciar Complementos”. Em seguida, na aba “Barras de Ferramentas e Extensões”, selecione as suspeitas e clique no botão desabilitar, no canto inferior direito.

Firefox: clique no menu principal, no alto do lado direito da página e escolha a opção "Complementos". Em seguida, clique em "Opções" e remova qualquer extensão que não lembre de ter instalado, apertando o botão "Desativar".

+ Inmetro retira berço da marca Burigotto do mercado

É importante reiniciar o computador após realizar os procedimentos. Também é recomendada a troca de senha.

Fonte: VEJA SÃO PAULO