Consumo

Novo shopping na zona norte conta tem 26 000 metros quadrados

Santana Parque Shopping reúne 200 lojas e complexo de cinema UCI

Por: Débora Pivotto - Atualizado em

Dos quarenta shoppings varejistas existentes na cidade, apenas três estão na Zona Norte: o Center Norte, o Lar Center e o Shopping D. A partir de quinta (25), surge uma nova opção aos 2 milhões de moradores da região, o Santana Parque Shopping, localizado na Rua Conselheiro Moreira de Barros. Com 200 lojas – entre suas âncoras, as populares Renner, C&A e Casas Bahia –, espera receber por mês 600 000 visitantes. O prédio de 26 000 metros quadrados tem telhado de vidro nos vãos central e laterais, o que permite a entrada de luz natural. "A idéia é que seu interior lembre uma praça", diz Antonio Dias Neto, arquiteto responsável pelo projeto.

A chegada do novo shopping não deve abalar o domínio do gigante Center Norte, desde 1984 fincado no pedaço. Mensalmente, cerca de 4,5 milhões de pessoas entram e saem de suas 475 lojas. "São conceitos bem diferentes de empreendimento", afirma Gabriela Baumgart, gerente de marketing do Center Norte. "O de Santana é um shopping de vizinhança, enquanto o nosso é um complexo multiuso." Segundo uma pesquisa feita em 2006 pela consultoria Espaço Geográfico, 60% dos freqüentadores do Center Norte vêm da Zona Norte, 25% são de outras regiões e 15% de cidades próximas como Guarulhos.

Apesar de ter um volume expressivo de moradores, a Zona Norte não apresentava potencial de consumo muito atrativo até pouco tempo atrás. Essa situação começa a mudar. Segundo a Secretaria Municipal do Trabalho, a renda per capita mensal nos distritos de Santana, Mandaqui e Tucuruvi passou de 658 reais em 1991 para 895 reais em 2000. "À medida que a renda foi aumentando, grandes empreendimentos apareceram", diz Tadeu Masano, presidente da consultoria Geografia de Mercado. Marcas já conhecidas como a Bio Ritmo, que tem onze academias espalhadas pela cidade, abrirão suas primeiras filiais na Zona Norte no novo shopping. Comerciantes antigos da redondeza também aproveitaram o centro comercial para inaugurar outras unidades. "Espero atender 500 pessoas por mês", conta David Fernandes, que há 41 anos comanda uma ótica na região.

Na Zona Norte, o forte ainda é o comércio de rua. Os 3 800 estabelecimentos ali existentes se concentram principalmente nas ruas Voluntários da Pátria e Doutor Gabriel Piza. Para fazer compras em locais mais seguros e com estacionamento, muitos moradores procuram outros endereços na cidade. "Viemos preencher essa lacuna", diz Consuelo Gradim, superintendente do Santana Parque, que em 2008 deve ganhar mais um concorrente, o Shopping Metrô Tucuruvi, dos mesmos donos do badalado Cidade Jardim, em obras na Marginal Pinheiros.

Fonte: VEJA SÃO PAULO