Cidade

Noivos vão a casamento de metrô em São Paulo

Leandro e Meyre aproveitaram para fazer uma sessão de fotos nas estações. "Não queríamos fotografar na Paulista ou no Ibirapuera, como todo mundo faz", disse ele

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Nada de limusine ou carro vintage com várias latas amarradas para chamar a atenção. O administrador Leandro Sequeira, de 29 anos, e a turismóloga Meyre Sakurai, de 30, escolheram ir para a propria festa de casamento de metrô.

+ Divulgada as primeiras fotos do casamento de Angelina Jolie e Brad Pitt

+ Patrícia Abravanel registra gravidez no Instagram

O fato inusitado ocorreu na noite do último sábado (30) em São Paulo. Os noivos foram até a Estação Faria Lima, onde posaram para fotos e vídeos oficiais do casamento, e seguiram até a Estação Pinheiros. A festa aconteceu em uma casa de eventos próxima. Durante o registro, o casal brincou até mesmo com a propaganda do filme “Vestido pra Casar”, com Leandro Hassum e Fernanda Rodrigues.

+ Confira as últimas notícias da cidade

De acordo com Sequeira, a ideia surgiu no ano passado e partiu da noiva. "Estávamos indo de metrô para o show do Bon Jovi no Morumbi e a Meyre comentou que achou a Estação Pinheiros muito bonita. Na época, já discutíamos os detalhes do casamento e ela não queria fazer as fotos na Avenida Paulista ou no Ibirapuera, como todo mundo faz", conta. "Quando ela falou que a gente poderia fotografar ali, topei na hora. Achei que não iam autorizar, mas deu tudo certo". 

O casal combinou previamente com a ViaQuatro, concessionária que administra a linha. Às 19h, foram de carro até a Estação Faria Lima e começaram a fazer o ensaio, chamando a atenção dos passageiros. "Brincaram muito com a gente, deram os parabéns. Uns turistas indianos pediram para tirar foto junto", disse Leandro. 

A viagem foi curta. Eles desembarcaram na estação seguinte, Pinheiros, e de lá seguiram de carro para o local da festa. "A gente gosta muito de São Paulo, acho que foi uma forma de expressar isso". 

Fonte: VEJA SÃO PAULO