Crise hídrica

Nível do Cantareira permanece estável neste sábado

Sistema opera com -9,2% da capacidade. É o 83º dia seguido sem queda no manancial 

Por: Veja São Paulo

Cantareira
Vista da reserva de Atibainha, que compõe o Cantareira, na cidade de Nazaré Paulista (Foto: Luis Moura/WPP/Folhapress)

Neste sábado (25), o Sistema Cantareira continua estável e opera com -9,2% da capacidade, segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O índice negativo passou a ser divulgado após determinação da Justiça. Pelo cálculo antigo, o reservatório está com 20,1%. É o 83º dia sem queda do manancial.

+ Sabesp deverá divulgar o volume negativo do Cantareira

Desde julho de 2014, o Cantareira opera exclusivamente captando água do volume morto, que fica abaixo do nível das comportas. Pelo novo cálculo, o volume das reservas técnicas é subtraído do volume armazenado, o que deixa o valor negativo. A liminar foi concedida pelo juiz Evandro Carlos de Oliveira, da 7ª Vara de Fazenda Pública, a partir de uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual (MPE) no dia 10 de abril.

+ Sabesp paga 504 000 reais de bônus a diretores

A Sabesp divulga ainda o porcentual do Cantareira considerando o volume útil acrescido do volume de reserva técnica. Nesse índice, o sistema se manteve estável com 15,5% neste sábado. Na prática, tanto a metodologia que deixa o manancial com 20,1% quanto o que mostra 15,4% consideram o mesmo volume de água armazenada. O que muda é a base de comparação. Na primeira, o porcentual é resultado da divisão do volume armazenado pelo volume útil, que desconsidera o volume morto. Na segunda, a água disponível no manancial é comparada ao volume total, que traz a capacidade do Cantareira incluindo os dois volumes mortos.

Próximo do fim do mês de abril, a precipitação acumulada é de 44,3 mm, ainda abaixo da média histórica, que é de 89,8 mm.

+ Acompanhe as últmas notícias da cidade

Outros mananciais

Os demais reservatórios também registraram estabilidade: Alto Tietê (22,4%), Guarapiranga (82,6%), Alto Cotia (65,7%) Rio Grande (95,8%) e Rio Claro (46,7%).

Fonte: VEJA SÃO PAULO