Cinema

'Não, Minha Filha, Você Não Irá Dançar' retrata uma família francesa

O drama mostra duas irmãs que, juntas, são a expressão do mau humor

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

Não, Minha Filha, Você Não Irá Dançar
Léna e Frédérique cercada dos filhos: relações conturbadas (Foto: Divulgação)

O diretor Christophe Honoré completa 40 anos em abril. Sem dúvida, sua filmografia é uma das mais constantes nos cinemas brasileiros. Dos cinco longas-metragens feitos por ele, três aportaram no circuito em pouco mais de um ano — Em Paris, Canções de Amor e A Bela Junie. O novo trabalho, Não, Minha Filha, Você Não Irá Dançar, traz um título pedante por trás de um denso drama familiar. A cada produção, o cineasta parece mais afiado para radiografar relacionamentos. Aqui, além do registro arguto, dá chance de brilho a Chiara Mastroianni, filha dos astros Catherine Deneuve e Marcello Mastroianni.

A história está centrada em uma família comum. Primogênita, Léna (Chiara) abandonou o marido (Jean-Marc Barr), pegou os dois fi lhos e foi reencontrar os pais na Bretanha, no interior da França. Lá, terá um amargo convívio. Seu irmão caçula, Gulven (Julien Honoré), revela-se um sujeito afiado nas ironias. Ela também tem rusgas com Frédérique (Marina Foïs), a irmã do meio. Juntas, são a expressão do mau humor, além de inconstantes, frágeis afetivamente e negligentes com seus rebentos. Grávida do segundo filho, Frédérique, veja só, ainda fuma. Mostram-se, em suma, mães e mulheres imaturas. Como Christophe Honoré não é unanimidade, esta sua mais recente fita, que estreou na França em setembro, dividiu a opinião dos críticos. Os detratores talvez tenham se aborrecido pelo enfoque incisivo que o realizador dá de seus conterrâneos — um povo, segundo ele, de mal com a vida.

Não, Minha Filha, Você Não Irá Dançar, de Christophe Honoré (Non Ma Fille, Tu N’Iras pas Danser, França, 2009, 105min). 12 anos. Estreou em 15/1/2009. Cine UOL Lumière 2, Espaço Unibanco 2, Reserva Cultural 1.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO