Especial

Música: os lugares que são um show

Selecionamos dez dos melhores espaços para curtir desde megaespetáculos até apresentações mais intimistas

Por: Carol Pascoal

HSBC Brasil 2273a
HSBC Brasil: agenda cheia em 2012 (Foto: Raul Zito)

Até o início da década de 80, a cidade e as demais capitais brasileiras estavam totalmente fora do circuito das grandes atrações internacionais. As raras exceções que se aventuravam por aqui tinham problemas ao se apresentar em locais com uma acústica ruim. Essa situação mudou completamente nos últimos anos. São Paulo é o melhor exemplo dessa evolução, possuindo hoje desde palcos capazes de abrigar megaespetáculos até espaços mais intimistas e sob medida para gêneros como o jazz.

+ Os shows que agitam a cidade

+ Calendário: os festivais que vão agitar 2012

Confira abaixo do mapa uma seleção com dez desses estabelecimentos.

 

  • Auditório Ibirapuera (mudou de nome para Auditório Ibirapuera - Oscar Niemeyer)

    Avenida Pedro Álvares Cabral, S/N, Parque Ibirapuera

    3 avaliações
  • Bares variados

    Bourbon Street

    Rua dos Chanés, 127, Moema

    Tel: (11) 5095 6100

    VejaSP
    4 avaliações

    Ano após ano, o longevo endereço continua a apresentar uma programação musical de altíssima qualidade. Seja no palco principal, pelo qual já passaram lendas como B.B. King, seja com apresentações menores sob a escada que leva ao mezanino, toda noite tem show. Uma plateia mais madura costuma lotar as mesinhas e investe no chope Stella Artois (R$ 10,50), bem como nos destilados em copo alto (a dose do uísque irlandês Jameson sai por R$ 22,00). Da cozinha, uma pedida mais segura é o pratinho de queijos com uvas, castanhas, frutas secas e pães (R$ 73,00). Afnal, o forte do cardápio é a música.

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Bares variados

    Casa de Francisca

    Rua José Maria Lisboa, 190, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3052 0547

    VejaSP
    Sem avaliação

    Somente 44 pessoas têm a oportunidade de estar ali a cada noite. Por isso, é imprescindível fazer reserva para curtir os shows intimistas de gente como Arrigo Barnabé, Tulipa Ruiz e Rômulo Fróes. A maioria do público é formada por casais e costuma pedir uma garrafa de vinho. Mas há também drinques, como o gim-tônica (R$ 35,00). Com o mesmo espírito de compartilhamento, saem comidinhas como a porção de faláfel acompanhada de pão sírio mais pepino e beterraba cortados em bastões (R$ 30,50). Em respeito aos músicos, as pedidas só são servidas antes ou depois das apresentações. Até o fim do ano, está prevista a inauguração da segunda unidade, dentro de um palacete histórico na Rua Quintino Bocaiúva, no centro.

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Cine Joia

    Praça Carlos Gomes, 82, Centro

    Tel: (11) 3231 3705 ou (11) 3101 1305

    2 avaliações

    Aberto em novembro do ano passado, o empreendimento dos empresários André Juliani, Facundo Guerra, Lúcio Ribeiro e Marcelo Beraldo fincou raízes em uma charmosa sala de cinema que funcionou até os anos 80. A casa de shows, localizada no bairro da Liberdade e com capacidade para até 992 pessoas, chegou com uma programação de qualidade. Mayer Hawthorne, The Rapture, Arnaldo Antunes e outras boas atrações internacionais e nacionais apresentaram-se ali, mas tiveram sua performance prejudicada pelo sistema de som. Em fevereiro, o espaço passou por uma reforma acústica para sanar o problema. Ponto para o clube, que virou querido dos moderninhos e agora esbanja alta tecnologia em som e projeção.

    Saiba mais
  • Credicard Hall (mudou de nome para Citibank Hall)

    Avenida Das Nações Unidas, 17955, Vila Almeida

    11 avaliações
  • HSBC Brasil (mudou de nome para Tom Brasil)

    Rua Bragança Paulista, 1281, Vila Cruzeiro

    Tel: (11) 4003 1212

    3 avaliações
  • Bares variados

    Madeleine

    Rua Aspicuelta, 201, Vila Madalena

    Tel: (11) 2936 0616

    VejaSP
    4 avaliações

    No ambiente cheio de charme do endereço há paredes de tijolos à mostra, luz indireta e velas nas mesas. Minúsculo, o palco fica junto à entrada e abriga de terça a sábado apresentações calcadas no jazz, que, por vezes, fertam com o pop e a MPB. Casais que buscam mais intimidade podem se refugiar no salão dos fundos, que descortina uma vista para o bairro, ou então na adega, logo abaixo. Seja qual for o espaço, a noite quase sempre termina na companhia de um bom vinho e de comidinhas como a pizza aperitivo com camarão, queijo brie, erva-doce e alcachofrinhas na massa sem glúten (R$ 69,00).

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Sala São Paulo

    Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos

    Tel: (11) 3367 9500

    15 avaliações

    O imponente edifício da Estrada de Ferro Sorocabana abriga hoje a Sala São Paulo, sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Foi projetado por Christiano Stockler das Neves em 1925 e inaugurado em 1938. Tombada como patrimônio histórico pelo Condephaat, a Sala São Paulo foi inaugurada em 9 de julho 1999 com a apresentação da sinfonia A Ressurreição, de Gustav Mahler, pela Osesp. O mais importante espaço de concertos da cidade tem acústica impecável, não à toa, é a sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. A Osesp apresenta-se ali às quintas e sextas, às 21h, e aos sábados, às 16h30. No restante da semana, a Sala São Paulo recebe outros relevantes nomes da música mundial.

    Saiba mais
  • Estilos variados

    Studio SP

    Rua Augusta, 591, Consolação

    2 avaliações
  • Via Funchal

    Rua Funchal, 65, Itaim Bibi

    Tel: (11) 3846 2300

    4 avaliações

    Inaugurado em 1998, o espaço ganhou fama por servir de ponto de parada na Vila Olímpia para shows de grandes turnês gringas. Artistas do naipe de Duran Duran, Buddy Guy e Coldplay mostraram os acordes de seus instrumentos neste endereço, onde cabem até 6 000 pessoas. Seja em pé, acomodado no mezanino, seja sentado a uma das mesas, servidas por garçons no térreo, quem compra o ingresso quase sempre sai contente por ter conseguido acompanhar — de forma confortável — todos os movimentos do artista no palco, de 20 metros de extensão. Isso ocorre graças à plateia construída em desnível de 15 centímetros entre cada um dos doze pisos.

    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO