Mistérios da Cidade

Museu do Ipiranga coleciona água dos principais rios brasileiros

Ânforas de cristal com líquido estão expostas nas escadarias de mármore do saguão principal

Por: Maurício Xavier [com reportagem de Carolina Giovanelli e Claudia Jordão]

Mistérios da Cidade 2257 ânfora
Lembrança do Madeira: ânfora de cristal contém cerca de 10 litros de águas do rio (Foto: Divulgação)

O bairro do Ipiranga não carrega só as águas do famoso córrego que serviu de cenário para a proclamação da independência. As escadarias de mármore do saguão principal do Museu Paulista da USP ostentam ânforas de cristal com líquido retirado de alguns dos principais rios brasileiros.

+ Uma jornada pelo Tietê

+ Rio Tietê: especialistas indicam o que deveria ser feito para salvá-lo

+ Testes de despoluição do Rio Pinheiros

Com suportes de bronze produzidos pelo escultor belga Adrien-Henri-Vital Van Emelen a pedido do então diretor da instituição, Afonso D’Escragnolle Taunay, as duas primeiras foram instaladas em 1928 e carregavam as águas misturadas dos cursos localizados nos extremos do país: Oiapoque e Chuí (Norte e Sul) em uma e Capibaribe e Javari (Leste e Oeste) na outra.

A decoração foi completada em 1930, com mais dezesseis peças referentes aos rios Parnaíba, Tocantins, Paraíba, Madeira, Carioca, Paraná, Negro, Capibaribe, São Francisco, Paraguai, Amazonas, Uruguai, Jaguaribe, Piranhas-Açu, Doce e Tietê. Cada vaso tem capacidade para cerca de 10 litros e até hoje o conteúdo foi trocado apenas uma vez, em 1991.

Fonte: VEJA SÃO PAULO