Cidade

Coberto com tinta, grafite é recuperado por artista na Consolação

Com vassoura e água, Mundano retirou camada cinza que havia sido pintada pela prefeitura; grafiteiro reclama de censura

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Grafites feitos pelos artistas Mundano e Crânio na entrada da Passagem Literária, na Rua da Consolação, foram apagados pela prefeitura na última sexta-feira (18). A tinta cinza, no entanto, foi retirada por Mundano no dia seguinte com vassoura e água. O grafiteiro reclama de censura. Já a Subprefeitura da Sé alega que o mural estava vandalizado.

+ Festejada dupla OSGEMEOS exibe trinta telas inéditas em São Paulo

Os desenhos tinham frases como "menos presos políticos mais políticos presos", além de cartazes que diziam "libertem nossos presos", em referência aos manifestantes detidos pela polícia nos protestos contra a Copa do Mundo.

A pintura foi feita um dia antes da reinauguração do Cine Belas Artes, que fica ao lado do local e cuja abertura contou com a presença do prefeito Fernando Haddad. Pelo Facebook, o artista afirmou que o evento e a ação da subprefeitura estariam conectados. "Acredito que maquiaram o local para evitar que o prefeito ficasse feio na foto, mas ficaram feio na fita", escreveu. "Fica aqui registrada minha indignação com a censura cinzenta que ainda tenta nos calar."

+ Grafite em Congonhas é pichado e transforma Ronaldo em black bloc

De acordo com a Subprefeitura da Sé, a pintura foi feita porque o grafite estava vandalizado, com cartazes colados por cima, o que teria descaracterizado a obra. Além de pintar a parede, a prefeitura realizou a limpeza da galeria sob a Rua da Consolação. "Tem sido praxe (da subprefeitura) em sua conduta o diálogo com artistas das mais variadas frentes, inclusive o grafite, a fim de estimular o uso adequado de locais públicos para expressões culturais típicas da cidade", afirmou em nota. Ainda de acordo com a administração, Mundano foi convidado a refazer o trabalho.

Polêmica

Em maio do ano passado, a dupla OSGEMEOS teve uma obra apagada três vezes sob o Viaduto do Glicério. A polêmica causada pela divulgação das imagens fez com que a prefeitura convocasse uma reunião entre grafiteiros, representantes da Secretaria de Cultura, da Subprefeitura da Sé e da Coordenadoria da Juventude.

+ Confira o que acontece agora na cidade

Na época, a prefeitura afirmou que, quando há dúvida se a intervenção é pichação ou grafite, a equipe deve enviar fotos à subprefeitura para uma análise da imagem.

Fonte: VEJA SÃO PAULO