Crise

Multa por desperdício de água começa em maio, afirma Alckmin

Governador anunciou ainda que vai usar Sistema Rio Grande, da Represa Billings, para abastecer parte de São Paulo e "aliviar" o Cantareira

Por: Redação VEJASÃOPAULO.com

Torneira - água
Hoje, quem economiza 20% de água por mês tem desconto de 30% na conta (Foto: Latinstock)

Em meio à crise hídrica em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin confirmou hoje que, a partir do mês que vem, começará a multar quem desperdiça água. Além disso, anunciou o uso de um outro sistema de abastecimento para "aliviar" o Cantareira. 

A multa já havia sido anunciada pelo novo secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Mauro Arce, mas sem data para começar. Nesta segunda (21), durante um evento em Franca, no interior do Estado, o governador reforçou que a medida entra em vigor já no mês de maio. O desconto de 30% para quem economizar água permanece. "Já tem o bônus, então vamos estabelecer também o ônus para quem gastar mais água", disse. 

Questionado se vai haver racionamento de água na região metropolitana, o governador limitou-se a dizer que "se for necessário, será feito". 

+ Seca histórica e erros de planejamento causam crise da água em São Paulo 

Nesta segunda-feira, o nível do Sistema Cantareira, que abastece 61% da região metropolitana - incluindo as zonas oeste e centro da capital -, está em 12%. Alckmin anunciou que vai começar a utilizar o Sistema Rio Grande, que capta água da Represa Billings, na região do ABC Paulista, para servir de reforço ao Cantareira. 

Em março, nove bairros (o que atinge um total de 1,6 milhão de moradores) de São Paulo já haviam deixado de ser abastecidos pelo Cantareira e passaram a receber água dos sistemas Guarapiranga e Alto Tietê. Parte de Pinheiros, na Zona Oeste, e da Vila Olímpia, Brooklin e Jabaquara, na Zona Sul, estão entre os bairros que trocaram de manancial. 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO