Criminalidade

Mulher de publicitário que matou zelador é solta

Ieda Cristina Cardoso da Silva Martins teve prisão temporária revogada; marido afirma que ela não participou do crime

Por: Redação VEJASÃOPAULO.com - Atualizado em

A advogada Ieda Cristina Cardoso da Silva Martins, de 42 anos, mulher do publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins, foi solta no fim da noite de terça-feira (3). Ela teve a prisão temporária revogada pelo juiz Rodrigo Tellini, da 2ª Vara do Júri do Fórum de Santana, a pedido da defesa. Ieda estava detida sob suspeita de ter participado do assassinato do zelador Jezi Sousa em um prédio na Casa Verde, Zona Norte da capital. O marido dela é réu confesso. Após uma briga entre os dois que culminou na morte do zelador, ele admitiu ter escondido o corpo em uma mala, esquartejado e queimado a vítima.

 

Ieda se diz inocente. O marido, em depoimento à polícia, também negou qualquer participação da esposa no crime. Ele afirma que Ieda não estava em casa na hora e, quando chegou, o ajudou a colocar o corpo no carro achando que se tratava de uma mala de roupas.

Jezi Lopes de Souza - zelador desaparecido
A filha procurou, mas não encontrou Jezi Lopes de Souza no prédio (Foto: Reprodução TV Globo)

Eduardo Martins continua preso e será indiciado por homicídio triplamente qualificado. 

Na madrugada desta quarta (4), a polícia foi novamente ao apartamento do casal na Rua Zanzibar para tentar descobrir se o publicitário usou ou não uma arma para matar a coronhadas o zelador. Mesmo que Eduardo tenha limpado a cena do crime, a perícia deve conseguir identificar rastros de sangue utilizando equipamentos específicos. Eles também procuram por outros objetos que podem ter ajudado no assassinato.

O caso

O crime aconteceu na última sexta-feira (30) na Rua Zanzibar, na Casa Verde, Zona Norte da capital. As câmeras de segurança do elevador do Edifício Oklahoma mostram o zelador chegando ao 11º andar com correspondências na mão por volta das 15h30. Depois disso, ele não é mais visto no prédio.

Com a ajuda de amigos e familiares, a supervisora Sheyla Viana de Souza, de 27 anos, procurou o pai no edifício, mas não encontrou. Dessa forma, chamou a polícia. Uma moradora escutou uma discussão por volta das 15h30, mesmo horário do desaparecimento.

Ela informou ainda que um dos moradores do 11º andar não tinha um bom relacionamento com Sousa. Por volta das 17h de sexta, o publicitário e a mulher foram flagrados pelo circuito interno arrastando uma mala e um saco plástico até o carro.

Martins foi preso em flagrante na casa do pai, no bairro Balneário Maracanã, em Praia Grande, na segunda-feira (2). Ele já tinha queimado na churrasqueira tronco, cabeça e pernas do zelador. Outras partes do corpo estavam em sacos plásticos espalhados pela residência. Já a mulher dele, a advogada Ieda Cristina Cardoso da Silva Martins 42 anos, foi detida em São Paulo.

Para a polícia, Martins confessou o crime e disse que a mulher não participou. Ela teve a prisão temporária revogada pelo juiz Rodrigo Tellini, da 2ª Vara do Júri do Fórum de Santana, e foi solta no final da noite dessa terça-feira (3).

Fonte: VEJA SÃO PAULO