Mistérios da Cidade

Corredores protestam contra mudanças na São Silvestre

Em sua 87ª edição, prova passará a terminar no Parque do Ibirapuera

Por: Maurício Xavier [com reportagem de Pedro Henrique Araújo e Nathália Zaccaro]

São Silvestre - mistérios da cidade 2236
São Silvestre: da Paulista para o Parque do Ibirapuera (Foto: Divulgação)

A clássica imagem de corredores da São Silvestre rompendo a fita de chegada na Avenida Paulista passará a ser apenas um retrato na parede. Neste ano, a 87ª edição da prova terá novo término, no Parque do Ibirapuera, decisão que motivou protestos. Para mostrarem descontentamento, atletas amadores e profissionais planejam percorrer o trecho antigo no feriado de Finados, na quarta (2), a partir das 7h. Assim, esperam, darão visibilidade aos argumentos contrários à alteração do trajeto, como o risco de lesões na descida da Avenida Brigadeiro Luís Antônio e também o fato de considerarem a Paulista um cartão-postal mais importante.

+ Parques para correr: internautas escolhem os melhores

+ 6 grupos e roteiros de corrida pelas ruas da cidade

+ Quiz: confira seus conhecimentos sobre a São Silvestre

“A Maratona de Paris termina no Arco do Triunfo, a de Berlim, no Portão de Brandemburgo, então por que a paulistana tem de deixar sua principal avenida?”, compara Martha Dallari, vice-presidente da Associação dos Treinadores de Corridas. Já os organizadores do evento alegam que a competição atrapalhava outra grande celebração que ocorre ali, o réveillon. Além disso, afirmam, a via ficou pequena para o número de participantes, que deverá subir de 20.000 para 25.000, criando uma dispersão ainda mais tumultuada. A extensão do percurso continua a mesma: 15 quilômetros.

TRÊS MOTIVOS PARA MANTER O TRAJETO

Torcida

A corrida mais antiga da cidade atrai muita gente pelo glamour da chegada apinhada de curiosos na Avenida Paulista. O desfecho em local diferente da largada reparte a torcida.

Lesões

A descida na Avenida Brigadeiro Luís Antônio no fim da prova é propícia para o aumento de lesões, principalmente nos joelhos e tornozelos. Quem mais sofre são os atletas de primeira viagem, que podem forçar demais o corpo ao dar o último gás na ladeira.

Deslocamento

A distância de quase 4 quilômetros entre a partida e a chegada dificulta a vida dos competidores, que terão de ir de um lugar ao outro para pegar seus pertences, automóveis ou encontrar amigos.

São Silvestre novo trajeto 2241
(Foto: Veja São Paulo)

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO