Passeios

Sucesso em vinte países, 'Túnel da Ciência' chega a São Paulo

Mostra em cartaz no centro de convenções do Shopping Frei Caneca apresenta as últimas grandes descobertas em astronomia, medicina, ecologia e mais

Por: Bruna Ribeiro - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

"Imagine poder olhar por cima dos ombros de um cientista. É um passeio pelo futuro." Assim define o coordenador Marcus Ferreira, 46 anos, a nova mostra Túnel da Ciência Max Planck, em cartaz no centro de convenções do  Shopping Frei Caneca.

 

Criada em 2000, a exposição que já passou por vinte países e foi vista por mais de 9 milhões de pessoas em três versões faz um apanhado das últimas grandes descobertas científicas e suas promessas. Antes de chegar a São Paulo, a edição mais recente, denominada 3.0, esteve na Rússia, em 2013. 

Interativo, o conteúdo é apresentado em murais, vídeos, fotos e instalações. De acordo com Ferreira, todo o conhecimento apresentado equivale a 600 páginas de uma publicação científica. A diferença é que é mais fácil aprender os conceitos dos módulos temáticos Universo, Matéria, Vida, Complexidade, Cérebro, Saúde, Energia e Sociedade. 

Logo no primeiro bloco está uma miniatura do jipe-robô Curiosity, enviado pela Nasa a Marte. Um tablet dentro da engenhoca contém explicações sobre o funcionamento da sonda e imagens do planeta vermelho a partir da visão do robô.

Na estação Complexidade, um globo reproduz evolução climática da Terra de 2000 a 2100, com o aquecimento e congelamento dos continentes. Outro destaque é o chamado espelho mágico, no módulo Saúde. Câmeras e softwares de simulação permitem que o visitante enxergue o "interior" do corpo humano. Por enquanto, trata-se apenas de uma projeção, mas a ideia é transformar o aparelho em uma ressonância em tempo real, a ser utilizada em cirurgias.

Por toda a exposição há monitores especializados. São 32 alunos da graduação e da pós-graduação em Ciências da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Ninguém sai com dúvidas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO