Exposições

Mostra fotográfica aborda desenvolvimento do país entre 1820 e 1920

Montagem na FAAP, que reúne 280 trabalhos pertencentes à coleção do Instituto Moreira Salles, é um destaque em si

Por: Jonas Lopes

Bairro da Glória - Rio de Janeiro - Exposições - 2263
Bairro da Glória, no Rio: registro do francês Victor Frond (Foto: Victor Frond)

O processo de urbanização ao longo de 100 anos e a beleza natural do país são os principais motes por trás de Panoramas: a Paisagem Brasileira no Acervo do Instituto Moreira Salles. Em cartaz na Faap a partir deste domingo (1º), a mostra reúne 280 trabalhos pertencentes à coleção do IMS e datados de 1820 a 1920.

+ MAM abre mostra do fotógrafo alemão Wolfgang Tillmans

A montagem, sob curadoria de Sergio Burgi, Carlos Martins e Julia Kovensky, é um destaque em si. Foi reconstituída cenograficamente, por exemplo, uma rotunda. Essa construção cilíndrica, bastante popular nas cidades europeias durante a virada do século XVIII para o XIX, possibilita a exibição de imagens em forma de grandes panoramas. Neste caso, aparece ali uma vista do Rio de Janeiro em 1824, com 11 metros de comprimento. Outro espaço apresenta materiais utilizados pelos artistas da época, a exemplo de réplicas de câmaras escuras, pedras litográficas e lentes fotográficas.

Ruas José Bonifácio e São Francisco - 2263 - Exposições
As atuais ruas José Bonifácio e São Francisco, no centro de São Paulo, por volta de 1862: foto de Militão Augusto de Azevedo (Foto: Veja São Paulo)

Os estrangeiros viajantes marcam o início da seleção. Johann Moritz Rugendas e Carl Friedrich von Martius, ambos alemães, além do inglês Charles Landseer, foram pioneiros ao retratar o país. Suas aquarelas e gravuras, por servirem em primeiro lugar para ilustrar livros, possuíam forte elemento iconográfico, mais com o intuito de documentar do que de proporcionar prazer estético ao espectador.

+ Instituto Moreira Salles recebe retrospectiva de Manuel Álvarez Bravo

Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Olinda, Ouro Preto, Mariana e Santos surgem como os grandes polos do período imperial. Com a virada para a modernidade, a industrialização abre novos caminhos. E essa transição pode ser observada, em particular, nas transformações sofridas pela capital paulista entre as fotografias de Militão Augusto de Azevedo e as de Guilherme Gaensly, quando a cidade começa a ganhar a cara pela qual costuma ser reconhecida até nossos dias.

Fonte: VEJA SÃO PAULO