Cinema

Mostra Cine Privê relembra filmes polêmicos e censurados

Em cartaz no Sesc Vila Mariana, Cine Privê – O Erotismo no Cinema aborda diferentes linguagens do gênero

Por: Victória Kennedy - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Acontece no Sesc Vila Mariana, entre 2 de maio e 28 de julho, a mostra Cine Privê – O Erotismo no Cinema. Por meio de imagens cinematográficas dos séculos XIX e XX, pretende mostrar ao público o erotismo abordado por meio de longas e personagens marcantes na história do cinema erótico. 

A mostra terá um ciclo de palestras, exposições, cabine privê, cine concerto e a exibição de filmes censurados e polêmicos em suas épocas, englobando desde as primeiras obras do cinema mudo à atualidade. Busca abordar, de acordo com cada atividade, diferentes focos relacionados ao erotismo no cinema.

A exposição O Corpo em Performance abre a programação com um panorama das primeiras imagens cinematográficas em torno do corpo e do desejo, tendo como principal foco os primeiros filmes silenciosos, os corpos despidos nos experimentos de Muybridge e até mesmo as insinuações eróticas de Thomas Edison, Georges Méliès, George Albert Smith e outros.

Um ciclo de filmes, intitulado Cine Proibido, é outra atração da mostra. É composto por 14 produções que tematizaram o desejo sexual e foram retalhadas pela política da censura. Dentre elas, Um Cão Andaluz (França, 1928), de Luis Buñuel e Salvador Dalí, e Último Tango em Paris (Itália, França, 1972), de Bernardo Bertolucci, assim como Laranja Mecânica (Inglaterra, 1971), de Stanley Kubrick.

Para compreender a censura em torno do sexo e  até mesmo do beijo em Hollywood, até o ano de 1968, a mostra traz uma “cabine de beijos”, em que o público poderá visualizar pequenas cenas de beijos de mais de trinta filmes marcantes. Por meio de fotografias e filmes exibidos em pequenas cabines, para espiar no buraco da fechadura, a mostra também convida à experimentação estética do desejo e do prazer.

A mostra também traz professores de história do cinema, sociologia e antropologia. Os temas em pauta tratam do poder simbólico, cultural e estético atribuído aos sentidos: da pornografia e do erotismo, das representações do desejo no cinema (das pornochanchadas ao cinema marginal), da censura do erotismo, das possibilidades imagéticas do desejo (do mainstream ao underground), etc.

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO