37ª Mostra

Stanley Kubrick, Eduardo Coutinho e Lav Diaz ganham retrospectivas

O Iluminado, Cabra Marcado Para Morrer e Norte, O Fim da História são alguns dos destaques dos programas especiais

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM

O Iluminado
Cena do filme 'O Iluminado' (Foto: Divulgação)

Além de títulos inéditos e de diretores iniciantes, todo ano, a Mostra Internacional de Cinema apresenta a obra completa de diretores celebrados e famosos ou mesmo completamente desconhecidos do grande público. Neste ano, Stanley Kubrick (1928-1999), Eduardo Coutinho e o filipino Lav Diaz ganham retrospectivas.

Kubrick, um dos principais nomes de sua geração, também ganha uma mostra no MIS com objetos de cena utilizados nos seus filmes. Além de títulos cultuados como Laranja Mecânica (1971) e O Iluminado (1980), o público terá a chance de assistir na sala de projeção a trabalhos mais antigos do realizador, como o documentário Day of the Fight (1951), A Morte Passou Perto (1955) e O Grande Golpe (1956). Quem preferir assistir aos filmes antes do início da Mostra, a partir do dia 11 o MIS exibe toda a filmografia do diretor.  

Cabra Marcado para Morrer
Cena de Cabra Marcado Para Morrer: documentário fundamental do cinema nacional será exibido (Foto: Divulgação)

Já o documentarista brasileiro Eduardo Coutinho selecionou pessoalmente o material a ser exibido para o público. Além de trabalhos fundamentais do cinema brasileiro como Cabra Marcado Para Morrer  (1985) e Santo Forte (1999), o público terá a rara chance de ver as pouco conhecidas ficções do documentarista, a exemplo de O Pacto (1966) e O Homem que Comprou o Mundo (1968) Antes de cada sessão, o espectador também poderá ver o mais recente curta do realizador, Porrada (2000). 

As Borboletas Não Tem Memória
As Borboletas Não Têm Memória (2009), do filipino Lav Diaz: praticamente desconhecido do público brasileiro (Foto: Divulgação)

Praticamente desconhecido do público brasileiro, Lav Diaz terá seus doze títulos exibidos ao público, inclusive Norte, O Fim da História (2013), que concorreu ao prêmio Um Certo Olhar, na mais recente edição do Festival de Cannes. Na filmografia do filipino, chama a atenção a longa duração de alguns de seus filmes, que chegam a ter de seis a oito horas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO