Homenagem

Nivaldo Prieto: “Eu só queria dizer obrigado para o Luciano do Valle”

Emocionado com a morte do amigo, narrador esportivo não conseguiu fazer uma participação ao vivo

Por: Fábio Lemos Lopes - Atualizado em

Nivaldo Prieto
Locutor recorda que Edmundo também chorou ao lembrar da morte de Luciano do Valle (Foto: Reprodução)

“Foi terrível. Fiquei muito envergonhado”. É dessa forma que o narrador esportivo Nivaldo Prieto recorda o episódio que protagonizou no último domingo (20), quando não conseguiu fazer uma participação ao vivo no programa Gol, o Grande Momento, da Bandeirantes. Na ocasião, ele se emocionou e começou a chorar ao lembrar de Luciano do Valle, que faleceu aos 66 anos no sábado (19). “O Edmundo (ex-jogador e comentarista) começou a chorar também.”

 

Em entrevista para VEJASAOPAULO.COM, Prieto recorda da amizade de vinte anos com um dos ícones da locução esportiva, lembra o último encontro e também fala sobre a homenagem que não conseguiu fazer. 

Como foi trabalhar um dia após a morte de Luciano do Valle?

Eu já estava muito emocionado. Como eu ia trabalhar na partida entre São Paulo e Botafogo, no Morumbi, fui primeiro para a Bandeirantes. Saí de casa chorando. Ao chegar e ver o logo da emissora eu lembrei da importância do meu amigo para a locução esportiva. Lá, participei de uma reunião e fiquei sabendo da bonita homenagem que prepararam para ele, mas não quis assistir, pois estava muito abalado. Já no estádio, achei que iria conseguir. Pedi para tirar o som e só me avisar para eu começar a falar, mas não deu. Eu conhecia ele havia vinte anos. [Era] um grande amigo. Cada um tem uma reação diferente. A minha foi essa. O Edmundo virou de costas e começou a chorar também.

E como se sentiu depois do episódio?

Eu fiquei muito envergonhado, era a minha obrigação [fazer corretamente a participação]. Fiquei muito mal. Todos me deram muito apoio, mas costumo me cobrar e fiquei envergonhado. Afinal, tive a oportunidade de fazer uma homenagem ao vivo e não consegui. O próprio Luciano, no dia da morte do pai, foi para o Pacaembu transmitir uma partida, se não me engano, do Corinthians. Foi um exemplo de força em um momento delicado.

E o que você queria ter falado na transmissão, mas não conseguiu?

Eu só queria dizer obrigado para o Luciano do Valle. Agradecer ele e a família. Sempre foi um grande exemplo, uma referência. Nos conhecemos durante os Jogos Olímpicos em Atlanta. Eu estava no SBT e ele na Band. Eu me apresentei e ele disse: ‘Você está narrando muito’. Fiquei feliz e disse que esperava encontrar novamente com ele. Um ano depois, fui contratado pela Bandeirantes e ele me recepcionou durante a convenção onde fui apresentado.

Quando vocês se encontraram pela última vez?

Nosso último encontro foi durante a gravação do vídeo promocional para a Copa do Mundo no início do mês. Ele estava muito animado. O Luciano era maluco pelo trabalho, amava o que fazia. Foi um grande exemplo para todos, abriu muitas portas para os jornalistas esportivos. Eu mesmo quando cheguei na Bandeirantes, em 1997, percebi que ainda tinha que aprender muito. E aprendi com o Luciano do Valle.

Fonte: VEJA SÃO PAULO