CRIME

Morre mulher atingida por carro que subiu a calçada em Pinheiros

Anariá Recchia, de 32 anos, apresentava quadro grave desde os primeiros socorros; outras duas vítimas continuam internadas

Por: Estadão Conteúdo

foto belmiro bar
Motorista atropela clientes de um bar em Pinheiros (Foto: Reprodução / Google Street View)

Uma das pessoas atingidas por um carro que subiu a calçada na Rua Cardeal Arcoverde, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, morreu no início da noite desta segunda (16), após passar por procedimentos durante todo o dia. Anariá Recchia, de 32 anos, estava na mesa de um bar na calçada na noite deste domingo, 15, quando foi atingida. Outros dois homens que ficaram feridos permanecem internados em quadro estável, segundo boletins fornecidos nesta tarde.

+ Tempestade derruba árvores e causa uma morte no centro da cidade

Anariá foi a vítima que havia ficado em pior condição no momento do acidente, com quadro grave desde os primeiros socorros médicos. Ela foi levada para atendimento no Hospital das Clínicas. A instituição confirmou o óbito da mulher nesta segunda. O pintor Erick Silveira dos Santos, de 34 anos, dirigia com alto teor de álcool no sangue quando perdeu o controle do veículo. Ele foi preso em flagrante.

Segundo relato de testemunhas, instantes antes do acidente, um veículo também passou em alta velocidade. Logo atrás veio o Chevrolet Corsa branco que atingiu os frequentadores do bar. "Um carro preto passou 'a milhão'. O motorista tentou fugir, saiu correndo pela Rua Belmiro Braga, mas foi segurado. Estavam na mesa a moça, o marido e um amigo", contou a professora de Inglês Letícia Rodrigues, de 23 anos.

Ao atropelar as três vítimas, o motorista acelerou o veículo para deixar o local, mas não conseguiu dar partida. Ele tentou abrir a porta, mas também não conseguiu. Então, saltou pela janela. "Agarrei ele e falei: 'você não vai correr'. Ele foi levado para longe das pessoas e ficou cercado lá. Ele estava com medo de ser agredido", afirmou uma testemunha que não quis se identificar.

Fonte: VEJA SÃO PAULO