Perda na gastronomia

Morre Elídio Raimondi, fundador de célebre boteco na Mooca

Elídio Bar recebeu em 2007 o prêmio de VEJA SÃO PAULO "Comer & Beber"

Por: Fabio Wright - Atualizado em

Elídio Raimondi - Elídio Bar
Elídio Raimondi no boteco, em 2007, antes da reforma: endereço ficou famoso pelo balcão de acepipes (Foto: Mario Rodrigues)

Faleceu nesta quarta (2) uma grande figura dos bares na cidade: o paulistano Elídio Raimondi, criador e proprietário do Elídio Bar, célebre endereço da Mooca. Neto de italianos e são-paulino, Seu Elídio, como era conhecido, fundou o endereço em 1973, na Rua Isabel Dias, uma travessa da Avenida Paes de Barros. 

+ A multiplicação das cervejas especiais

+ Moça Bonita ganha filial em uma avenida próxima à matriz

Além do chope tirado com colarinho farto e das nostálgicas fotos de futebol nas paredes, o boteco ganhou fama sobretudo pelo balcão de tira-gostos vendidos por quilo – o mais famoso e sortido da cidade, com até oitenta itens nos fins de semana. A bancada de acepipes serviu de inspiração primeiro para o Original, em Moema, e de lá para toda a nova geração de botecos chiques. Em 2007, o Elídio Bar foi eleito o melhor boteco da cidade pelo júri de VEJA SÃO PAULO, na edição “Comer & Beber”. No ano seguinte, porém, passou por uma reforma drástica e ganhou ares bem mais arrumadinhos. A casa possui uma filial instalada no mezanino do Mercado Municipal, na Rua da Cantareira, no centro.

Fonte: VEJA SÃO PAULO