Restaurantes

Mori

Onde provar os pratos

Por: - Atualizado em

Mori
Mori: restaurante japonês (Foto: Tadeu Brunelli)

Confira todos os endereços:

  • Japoneses

    Mori - Lapa

    Rua Melo Palheta, 284, Água Branca

    Tel: (11) 3872 0976 ou (11) 3676 1917

    3 avaliações

    Seja na matriz antiga de Perdizes, com salões de jeitão improvisado em ambientes de um sobrado, seja na moderninha filial de Moema, que trabalha com preços mais caros, a pedida é o rodízio. Dá direito a shimeji refogado num potinho, temaki de atum batido com cream cheese e cebolinha, por exemplo, mais bolinhos de arroz recheados ou cobertos por salmão, atum, pepino, kani e uma ou duas opções de peixe branco do dia. Para comer no balcão, paga-se mais caro. Em Perdizes, no almoço, custa R$ 53,00 no balcão e R$ 44,00 nas mesas, enquanto no jantar e aos sábados sobe para R$ 65,00 e R$ 50,00, respectivamente. Em Moema, no almoço de terça a sexta, sai por R$ 54,00 (na mesa) e R$ 59,00 (no balcão). Nos demais horários e nos feriados, vai para R$ 68,00 e R$ 74,00.

    Preços checados em 19 de março de 2014.

    Saiba mais
  • Japoneses

    Mori - Moema

    Rua Gaivota, 1488, Indianópolis

    Tel: (11) 5532 0181

    12 avaliações

    Seja na matriz antiga de Perdizes, com salões de jeitão improvisado em ambientes de um sobrado, seja na moderninha filial de Moema, que trabalha com preços mais caros, a pedida é o rodízio. Dá direito a shimeji refogado num potinho, temaki de atum batido com cream cheese e cebolinha, por exemplo, mais bolinhos de arroz recheados ou cobertos por salmão, atum, pepino, kani e uma ou duas opções de peixe branco do dia. Para comer no balcão, paga-se mais caro. Em Perdizes, no almoço, custa R$ 53,00 no balcão e R$ 44,00 nas mesas, enquanto no jantar e aos sábados sobe para R$ 65,00 e R$ 50,00, respectivamente. Em Moema, no almoço de terça a sexta, sai por R$ 54,00 (na mesa) e R$ 59,00 (no balcão). Nos demais horários e nos feriados, vai para R$ 68,00 e R$ 74,00.

    Preços checados em 19 de março de 2014.

    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO