Mistérios da cidade

Monumentos públicos sofrem com falta de conservação

Mais de cinquenta obras estão desaparecidas e onze foram removidas pela prefeitura

Por: Maurício Xavier (com reportagem de Julia Flamingo)

chafariz do largo da memória
O Chafariz do Largo da Memória está repleto de pichações (Foto: São Paulo Antiga)

A grande maioria dos 441 monumentos espalhados por locais públicos da capital sofre com o vandalismo e a falta de conservação (no quadro, alguns exemplos). Do total de obras incluídas no inventário da Secretaria Municipal da Cultura, 54 estão desaparecidas e onze foram removidas para o depósito da prefeitura.

+ Biblioteca do Mosteiro de São Bento é a mais antiga da capital

O órgão dispõe de uma verba anual de cerca de 1,1 milhão de reais para a conservação do acervo, mas é incontável o número de trabalhos danificados todos os dias. Lançado em 2000, o programa Adote uma Obra Artística tem o objetivo de dividir a conta de manutenção com a iniciativa privada.

Em 2015, o projeto atingiu a marca de 65 parcerias, proporcionando melhorias em peças como a estátua em homenagema Luiz Pereira Barreto, na Praça Marechal Deodoro, em Santa Cecília. A obra foi restaurada para eliminar áreas com rachaduras e recebeu uma limpeza geral para remover pichações.

Nova Tabela
          OBRA                LOCAL ANO           AUTORIA               ESTADO DE CONSERVAÇÃO
Chafariz da Avenida 9 de Julho Próximo ao Mirante 9 de Julho, na Bela Vista 1938 Domingos Marchetti Degradado e sem o maquinário de funcionamento
Chafariz do Largo da Memória Largo da Memória, no centro 1814 Victor Dubugras e José Wasth Rodrigues Azulejos, granitos e até o bronze da fonte tem pichações
Fonte Monumental Praça Júlio de Mesquita, no centro 1927 Nicolina Vaz de Assis Pinto do Couto Quebrada, com rachaduras e buracos por toda a obra
Índio Pescador Praça Osvaldo Cruz, na Avenida Paulista 1928 Francisco Leopoldo e Silva O personagem não leva mais a lança em sua mão e a fonte não funciona
Monumento a Rui Barbosa Praça Ramos de Azevedo, no centro 1930 José Cuccé Rabiscos por toda a escultura

+ Leia sobre os jardins verticais do Minhocão

Fonte: VEJA SÃO PAULO