Teatro

Monólogos em cartaz recriam personagens reais

Confira os solos biográficos apresentados na cidade

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

Eu Não Dava Praquilo - Teatro
O ator Cássio Scapin relembra a vida e a carreira de Myriam Muniz em 'Eu Não Dava Praquilo' (Foto: João Caldas)

Myriam Muniz, Leonardo Da Vinci e Galileu Galiei são alguns dos personagens cujas vidas são representadas nos palcos paulistanos por um único ator em cena. Confira abaixo: 

+ Mais sobre teatro

Desarticulações

A atriz Regina Braga apresenta no Museu da Imagem e do Som o diário da escritora argentina Sylvia Molloy. Os escritos narram a perda gradativa de memória da companheira da autora. No monólogo, Regina se apresenta em uma instalação criada pelo co-diretor Marcos Pedroso.

Desarticulações - Teatro
A atriz Regina Braga no monólogo 'Desarticulações': baseado na experiência real de Sylvia Molloy (Foto: Roberto Setton)

Eu Não Dava Praquilo

Sob a batuta de Elias Andreato, Cássio Scapin rememora a vida e a trajetória de Myriam Muniz (1931-2004) no palco do Centro Cultural Banco do Brasil. A atriz paulistana, nascida no Cambuci, chegou a ser enfermeira, até entrar para a Escola de Arte Dramática da USP no final dos anos 1950, onde estudou com Alfredo Mesquita.  Durante sua carreira, participou de montagens do Oficina, do TBC e do Arena. Também atuou ao lado de Itamar Assumpção no musical Às Próprias Custas (1983) e dirigiu Elis Regina em Falso Brilhante (1975), entre outros trabalhos nos palcos no cinema e na televisão.

Da Vinci, Maquiavel e eu
Tadeu Di Pyetro protagoniza o monólogo 'Da Vinci, Maquiavel e Eu' (Foto: João Caldas)

Da Vinci, Maquiavel e Eu

Também sob direção de Elias Andreato — especialista em transpor biografias para o palco — Tadeu Di Pyetro interpreta o texto de Chico de Assis no Teatro MuBE Nova Cultural. Como o título adianta, trata-se de um hipotético diálogo entre as visões de mundo de Leonardo Da Vinci (1452-1519) e Nicolau Maquiavel (1469-1527).

Lenya
Mônica Guimarães: atriz interpreta a cantora e atriz Lotte Lenya, esposa de Kurt Weil (Foto: João Caldas)

  Lenya

Muita gente conhece o trabalho resultado da parceria entre Kurt Weil (1900-1950) e Bertolt Brecht (1898-1956), como Ascensão e Queda da Cidade de Mahagonny. A atriz Lotte Lenya (1898-1981), esposa do compositor, embora seja considerada uma das mais importantes do século XX, permanece desconhecida do público. No palco do Teatro Sérgio Cardoso, a atriz Mônica Guimarães dá vida à atriz em texto de Amir Labaki. Além de participações nas principais obras de Brecht, entre os trabalhos mais famosos e importantes de Lenya estão adaptações cinematográficas da obra do dramaturgo alemão, como A Ópera dos Três Vinténs (1931). Em 1961, ela foi indicada ao Oscar e ao Globo de Ouro por Em Roma na Primavera e em 1963, num de seus papéis mais populares, interpretou Rosa Klebb em Moscou Contra 007.

Fonte: VEJA SÃO PAULO