Política

Monarquistas vão participar do protesto pelo impeachment de Dilma

Movimento pretende reunir 300 pessoas no domingo para pedir a saída da presidente e instaurar o parlamentarismo com a volta da família Orleans e Bragança ao comando

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

A saída de Dilma Rousseff do poder e a instauração de um sistema parlamentarista monarquista. Eis a bandeira que será erguida neste domingo (14) na passeata pelo impeachment na Avenida Paulista por aproximadamente 300 simpatizantes da Real Democracia Parlamentar (RDP). O grupo existe desde novembro de 2013 e foi fundado por Antonyo da Cruz, presidente do Instituto Brasil Imperial, sediado em Praia Grande, no litoral paulista.

+ Jogo e cerimônia de posse têm horários alterados devido à manifestação

"O país não pode esperar mais esta nossa decisão. A nação precisa do RDP para deslancharmos uma iniciativa que estanque não apenas o uso indevido da máquina pública e seus recursos, bem como para que seja estabelecida a dignidade no ordenamento político brasileiro, algo cuja inexistência hoje nos submete a um escárnio internacional", discursa Cruz.

+ Ato em defesa da Petrobras está programado para esta sexta (13)

No movimento, ele é tratado como comendador, graças ao título que recebeu em 1994 da Sociedade de Estudos de Problemas Sociais. "Sabe quantas famílias de presidente o povo brasileiro sustenta? Se voltar à monarquia, vamos lidar apenas com uma", acredita.

Os simpatizantes são à favor de devolver a coroa à família Orleans e Bragança e adotar um sistema parlamentarista de governo. "Dos trinta países que adotam esse tipo de regime, 27 possuem um Índice de Desenvolvimento Humano extremamente elevado", diz Cruz.

Segundo ele, há aproximadamente 6 800 associados. O RDP entrou com um pedido no Supremo Tribunal Eleitoral (STE) para criar o partido da sigla. "Não podemos continuar com essa corrupção e com esse sistema de governo. Vamos acabar com essa bandalheira e mudar a história do Brasil", diz Cruz.

+ Confira as principais notícias da cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO