Comportamento

O lado secreto de Moema: novas baladas liberais e a reação dos moradores

O bairro concentra mais da metade das casas do gênero na cidade, além de sex shops e boates

Por: João Batista Jr. e Jussara Soares - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Com 9 quilômetros quadrados de área e tendo como vizinhos o Parque do Ibirapuera e o Aeroporto de Congonhas, Moema é um dos bairros com melhor qualidade de vida na capital. Sua população de 83 000 habitantes desfruta um IDH de 0,972 superior ao de países como Noruega (0,944) e Austrália (0,933). Com perfil misto, seus quarteirões são divididos entre prédios residenciais e comércio de rua. Restaurantes, padarias e bufês infantis fazem parte do cardápio local. Essa mesma região de clima familiar e tranquilo também concentra um comércio e uma série de casas noturnas ligadas ao universo erótico. Seis dos nove clubes de suingue da cidade estão por ali.

 

Com investimento de 2,5 milhões de reais e 500 metros quadrados de área, o mais novo a chegar ao pedaço é o Ápice Club, na Avenida Cotovia. Inaugurado há nove meses, pertence aos advogados Ana Paula e André Luiz Sousa. Adeptos da troca de casais, eles decidiram investir no segmento. “Recebemos 300 duplas por semana”, diz Ana Paula. O que se vê ali são pessoas na faixa dos 40 anos de idade, vestidas de maneira discreta, como se fossem frequentar uma balada “comum” da cidade. A música começa em volume baixo e há regras de comportamento, como, por exemplo, não usar celular em hipótese alguma. O slogan entre os seus frequentadores é “O que acontece na Ápice fica na Ápice”. Quem está ali busca tudo e mais um pouco, menos exposição.

Os valores envolvidos chamam atenção. “O público dessas baladas tem poder aquisitivo alto”, afirma Sousa. “As comandas variam de 300 a 800 reais.” O casal paga, em média, cerca de 100 reais pela entrada. Já o homem que deseja entrar sozinho pode desembolsar até 440 reais, como é o caso da Inner. Lá há um cinema, um ônibus em tamanho real e um elevador para quem quiser realizar suas fantasias.

Cerca de 10 000 pessoas passam pelas baladas liberais de Moema por fim de semana. Há desde moradores da capital até turistas de outras regiões do país. Uma das novidades nesse roteiro picante é a The Secret’s. Aberta no mês passado na Alameda dos Arapanés e com funcionamento apenas às quintas, trata-se de uma versão 2.0 dos antigos “clubes de mulheres”. No local, quinze rapazes vão a leilão: as clientes com os lances mais polpudos podem se divertir com eles. “Mas sexo não é permitido”, avisa o dono do estabelecimento, Evaldo Shiroma. A entrada na casa sai por 60 reais e os lances começam a partir de 50 reais. A maior oferta até hoje foi de 240 reais.

 

O mercado de casas noturnas que não se limitam às pistas de dança está aquecido. Para atender o público crescente, a Marrakesh, a balada liberal mais antiga da cidade, fundada em 1997, e vizinha à The Secret’s, está finalizando uma reforma. Em vinte dias, estreará as novas dependências de seu darkroom. “Todos os donos de clubes para casais que abriram em Moema foram nossos clientes”, orgulha-se Afonso Legarra, gerente há quinze anos. Frequentadores desses locais, o funcionário público Pedro Silva e a modelo Ana Andrade* estão casados há sete anos. “Vamos toda semana, mas nem sempre encontramos um casal legal”, diz Silva, de 51 anos (25 a mais que sua mulher). Ele está em seu sexto casamento e tem sete filhos. “Esse tipo de brincadeira precisa de cumplicidade entre os casais. Aqui é só prazer”, confessa. “Mas admito que as casas de suingue são fábricas de divórcio.”

O faturamento médio desses estabelecimentos é de 500 000 reais mensais. Há alguns que chegam a movimentar 800 000 reais por mês. Aberta em 2006 na Avenida dos Carinás, a Vogue Club é um investimento de um casal que até então desconhecia esse universo. “Pisamos em uma casa dessas só para analisar o mercado”, afirma o empresário Roberto Martins, casado com a empresária Rosana Paes. Além do novo negócio, eles tocam em paralelo uma agência de publicidade. Ao todo, há na Vogue uma brigada de 32 funcionários para cuidar dos 500 clientes por noite. “Acabamos de abrir uma segunda balada do mesmo estilo no Rio de Janeiro.”

Nesses locais está “vetada” a atividade das garotas de programa. “Se um cara entra com uma, não posso fazer nada. Mas aqui ela não pode cobrar por seu serviço”, explica Martins. As moças têm carta branca em boates do bairro como Bahamas e Zeus, além das casas de massagem. “Pode-se dizer que eu fui o precursor desse mercado por aqui”, afirma Oscar Maroni Filho, dono do Bahamas. “Abri a casa em 1984 e me orgulho de ser um ícone da noite paulistana.” Ícone, sim, mas também controverso. Ele ficou preso por dois meses e foi investigado por supostamente explorar a prostituição. Sua casa ficou fechada entre 2007 e 2013, até obter na Justiça o direito de reabri-la. Hoje, Maroni aguarda autorização para inaugurar um hotel de onze andares ao lado da pista do aeroporto. “Sou um homem honesto que foi alvo de perseguição por alguns moralistas.”

Não é a única investigação na área. Atualmente, transita na Câmara dos Vereadores a CPI dos Alvarás. Ela apura indícios de irregularidades em boates, bares e restaurantes. Presidente da comissão, o vereador Eduardo Tuma (PSDB), líder da bancada evangélica, diz que algumas casas de suingue pedem autorização de funcionamento como lanchonetes ou bares dançantes. “Sou contra os estabelecimentos por irregularidade do alvará, e também por promoverem a prostituição e serem um desfavor à sociedade ao causar a destruição familiar”, enumera Tuma. Alguns estabelecimentos atuam mesmo sem permissão. A casa de massagem Red, localizada na Avenida Moema, por exemplo, não tem documentação, segundo a Secretaria de Habitação. A gerência do lugar rebate que o local opera sem problemas. Lá, uma “massagem” com duas garotas sai por 290 reais.

 

Por buscarem a discrição e a privacidade dos frequentadores, os empresários do setor procuram evitar problemas com a vizinhança. O presidente da Associação de Moradores e Amigos de Moema, José Roosevelt Junior, afirma que a Vogue é alvo de reclamações, e por causa de barulho. “No mais, não há por que fazer uma cruzada moral no bairro”, contemporiza. O proprietário rebate a crítica e diz que não extrapola no som e está em quarteirão estritamente comercial. Outro incômodo dos moradores é a presença de garotas de programa em prédios de flats. Muitas não moram nos quartos, apenas os alugam para receber seus clientes — com os quais o contato ocorre por meio de sites na internet —, e outras dividem as despesas dos apartamentos com colegas.

As sex shops, por sua vez, não encontram resistência no bairro. Ao todo, são dezesseis pontos comerciais em atividade por ali — a maioria com produtos do segmento premium. Uma loja voltada para o público AAA nessa região chega a faturar 160 000 reais por mês. “Meu foco são as lingeries de renda, muitas delas trabalhadas com aplicações de cristais Swarovski”, conta Luciana Keller, dona da Constantine. “Também oferecemos cursos privados ou em grupo para mulheres interessadas em aprender técnicas de strip-tease.” O mercado nacional de produtos eróticos movimenta 161,5 milhões de reais por mês com a venda de 8,5 milhões de itens, e o Estado de São Paulo representa 33% desse total, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual. “Moema concentra o que há de mais luxuoso nesse segmento, como artigos de ouro”, afirma a presidente da entidade, Paula Aguiar.

“Sofremos preconceito”

Casados há quatro anos e moradores do Panamby, o engenheiro civil João, de 48 anos, e a publicitária Maria Alencar*, de 36, começaram a frequentar clubes para casais apenas dois meses após se conhecerem. e nunca mais pararam.

Quais casas vocês frequentam?

João — Elas ficam todas em Moema. A Nefertitti é a preferida, por ter um público mais selecionado. Frequentamos pelo menos três vezes por mês.

Seus amigos e familiares sabem da prática?

Maria — Não. Certa vez, comemorei aniversário em minha casa com setenta convidados e vários deles eram casais que também são adeptos. Minha mãe, que estava lá, nem imagina que faço.

Já passaram por alguma saia-justa?

Maria — Isso nunca aconteceu conosco, por sorte. Mas temos um amigo que já encontrou com um chefe nessa situação. As pessoas têm preconceito, acham que somos promíscuos. Não somos. Não temos um relacionamento aberto, só fazemos isso juntos. Meu marido tem noção do amor que sinto por ele.

De clientes a empresários

Adeptos da troca de casais, advogados inauguram seu próprio estabelecimento

Casados há oito anos, os advogados André Luiz Sousa e Ana Paula Sousa abriram faz nove meses a mais nova casa de suingue de Moema, a Ápice Club. Ex-frequentadores de estabelecimentos concorrentes no bairro, eles investiram 2,5 milhões de reais no negócio. O que se vê ali são mulheres e homens na faixa dos 40 anos, vestidos de forma discreta, como quem sai para jantar fora com os amigos. A música é baixa no começo da noite e há regras de comportamento. No chamado labirinto, as cabines têm portas vazadas.

O mais antigo do pedaço

Malhadas e com calças da Diesel, as garotas que frequentam o Bahamas dizem que chegam a faturar até 30 000 reais por mês

Depois de sete anos fechado para responder ao processo de que favorece a prostituição, o empresário Oscar Maroni Filho venceu na Justiça e ganhou o direito de reabrir o Bahamas Club em setembro de 2013. “Cerca de 100 homens frequentam hoje o meu negócio por dia”, diz. Para atendê-los, noventa meninas circulam pelos dois andares da boate, com estátuas greco-romanas e lago de carpas. Algumas falam inglês, outras francês, e todas adoram as calças da marca Diesel. “Cobramos a partir de 500 reais”, diz Natália Lima*, de 29 anos. “Tem mês em que chego a fazer 30 000 reais.” A entrada do estabelecimento custa 231 reais, sendo 100 reais para consumação. Uma regra do local: as garotas não podem abordar o potencial cliente, para que ele escolha sem pressão.

Variedade de fantasias

Um dos strippers mais concorridos faz oito shows por semana

O figurino de bombeiro, gângster, gladiador, caubói ou qualquer outro personagem viril que povoe o imaginário feminino é tirado, de modo insinuante, ao som de Bon Jovi, em no máximo quinze minutos de dança. Stripper há dezoito anos, Evandro de Castro, conhecido como Titanic pelo 1,91 metro de altura, faz shows no Clube das Mulheres, em Pinheiros, e percorre as casas para casais de Moema. Nesses locais, a apresentação dele é uma das mais aguardadas pelo público feminino. Em baladas como Ápice, vogue e Inner, Titanic se joga sobre o mulherio, distribui beijinhos, deixa que elas passem a mão em seu corpo e tira peças de roupa. Só não faz nu frontal. “Ficaria com vergonha”, diz. Por semana, são oito shows, que incluem despedidas de solteira. O cachê varia de 200 a 400 reais. O faturamento mensal fecha em torno de 4 000 reais. “É um mercado convidativo”, diz o profissional.

Nada de lingerie básica

Moema concentra dezesseis sex shops, algumas voltadas para o público AAA

São mais de 1 000 opções de roupas íntimas, produzidas com renda francesa, cristais Swarovski e muita transparência. “Não gosto de nada básico”, assume a psicóloga Luciana Keller, dona da sex shop Constantine. Conhecida por ser uma das mais chiques da cidade, a casa tem faturamento médio de 100 000 reais por mês. “Escolhi este bairro por ter uma clientela de poder aquisitivo alto e por estar perto das baladas liberais.” Em funcionamento há oito anos, a sex shop de Luciana vende produtos trazidos de países como Suécia e Estados Unidos. A clientela dali também costuma passar por cursos de strip-tease, entre outros. “Temos uma média de cinquenta alunas por mês.” Luciana conta que, há alguns anos, as mulheres tinham medo de deixar o carro estacionado na porta. “Hoje, algumas chegam sozinhas, depois trazem o marido e as amigas.”

Bairro família

Moema concentra dezesseis sex shops, algumas voltadas para o público AAA Moradora reclama de que fama de circuito do pecado não é a realidade da região

Ao dizer aos amigos de fora de São Paulo que mora em Moema, a dubladora Bianca Aires Bergamo costuma ter de responder se é o bairro onde ficam as casas de suingue e as boates de garotas de programa. Essa fama da região a desagrada. “A imagem não tem nada a ver. Eu não gosto”, diz. Casada, grávida de nove meses e mãe de um garoto de 15 anos, ela afirma que existem vários condomínios habitados por famílias, e não apenas flats usados por prostitutas. “Aqui há muitas crianças e idosos. Não é justo resumir o bairro ao circuito do pecado”, protesta. Moradora do bairro há 43 anos, a psicóloga Rosângela Lurde Reclama do barulho. “A partir das 4 horas da manhã, a saída dos clientes das casas noturnas tira o sono dos moradores”, afirma. “Também tenho medo de que o crescimento desse tipo de atividade atraia para o bairro traficantes e prostitutas de rua.”

* Os nomes foram trocados

  • Variados

    Cartas da edição 2385

    Atualizado em: 8.Ago.2014

  • VEJA SÃO PAULO recomenda

    Atualizado em: 9.Out.2015

    Restaurante, espetáculo, exposição, doceria e outras atrações em cartaz
    Saiba mais
  • Livro reúne dados sobre as favelas

    Atualizado em: 8.Ago.2014

    Projeto de Renato Meirelles e Celso Athayde incluiu levantamento demográfico
    Saiba mais
  • Saiba quais são as avenidas e ruas com maior índice de mortes na cidade
    Saiba mais
  • Artistas preferem se apresentar sem mostrar o rosto na capital
    Saiba mais
  • Os maiores pecados dos paulistanos na cozinha
    Saiba mais
  • Área de 50 000 metros quadrados está sendo reformada a um custo de 19 milhões de reais
    Saiba mais
  • Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos e empresários que são destaque na cidade
    Saiba mais
  • São 29 quilômetros novos neste ano e 38 quilômetros previstos só para este mês
    Saiba mais
  • Comportamento / Saúde

    Técnico de manutenção doa plaquetas sanguíneas na Santa Casa

    Atualizado em: 30.Out.2014

    Armando Braz é o maior doador deste componente do sangue para a instituição; ele já encheu mais de cinquenta bolsas, cada uma com 300 mililitros
    Saiba mais
  • Com a redução da pressão nos canos em 75%, moradores e comerciantes afirmam que falta água à noite
    Saiba mais
  • Sobremesa típica da Sicília, os canudos de massa frita preenchidos por creme de ricota fazem sucesso no cardápio de casas bacanas
    Saiba mais
  • Estabelecimentos paulistanos diversificam seus negócios
    Saiba mais
  • Comportamento

    Confira as novidades da semana da coluna Bichos

    Atualizado em: 2.Out.2015

    A seção fala sobre a abertura de uma padaria pet na cidade
    Saiba mais
  • As Boas Compras

    As Boas Compras: cozinha italiana

    Atualizado em: 8.Ago.2014

    Rolo de macarrão, escorredor, forma para ravioli, livros de receitas e outros itens para turbinar o ambiente
    Saiba mais
  • Italianos

    Vinheria Percussi

    Rua Cônego Eugênio Leite, 523, Pinheiros

    Tel: (11) 3088 4920

    VejaSP
    10 avaliações

    Uma dupla de irmãos toca a casa que é uma das boas referências italianas da cidade. Lamberto Percussi organiza o serviço e a carta de vinhos, e Silvia supervisiona a cozinha. O ótimo bacalhau ao estilo da Itália vem com purê de batata, tomatinhos e manjericão (R$ 93,00). É páreo para o ossobuco com bolinho de risoto salteado (R$ 88,20). O contrasto (R$ 22,80), feito de uma casquinha de chocolate escuro e frutas vermelhas congeladas, recebe calda quente de chocolate branco e derrete na hora.

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Três endereços que fogem do óbvio
    Saiba mais
  • Drinques

    Brasserie des Arts

    Rua Padre João Manuel, 1231, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3061 3326

    VejaSP
    12 avaliações

    Filial de um endereço na Riviera Francesa, o lugar é frequentado por gente abonada acima dos 30 anos e cenário de badalados jantares. Quem está a fim de apenas petiscar pede tira-gostos como o arancino (R$ 29,00, quatro unidades) e se joga nos drinques do bartender Marcelo Serrano. Talentoso, o profissional se divide entre o Brasserie e o vizinho Recreo, nova empreitada dos mesmos donos. Equilibrado, o drinque bergamota (R$ 33,00) mescla vodca cítrica com tangerina e cenoura e traz espuma de pêssego bem docinha no topo.

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Espanhóis

    Venga!

    Rua Delfina, 196, Vila Madalena

    Tel: (11) 3097 9252

    VejaSP
    9 avaliações

    O lugar é amplo e divertido. Mesas altas e baixas mais um balcão acolhem a galera a fim de petiscar à maneira espanhola. Desde 2015, esta filial do bar de origem carioca não tem mais ligação com a Cia. Tradicional de Comércio, que dividia a administração com o grupo do Rio. Na prática, pouco mudou no dia a dia da casa. As croquetas de camarão (R$ 32,00) ou de presunto cru (R$ 32,00) continuam a agradar tanto quanto as boas batatas bravas lambuzadas de molhos picante e aïoli (R$ 40,00). Também muito bom é o polvo com batatas polvilhado de páprica (R$ 39,00 a porção pequena). Tem o mesmo nome de um agitado bairro madrilenho o saboroso drinque chueca (vodca, maracujá e geleia de pimenta no copo enfeitado com raspas de chocolate; R$ 28,00).

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Nova seção de VEJA SÃO PAULO, publicada nos roteiros de Restaurantes, Bares e Comidinhas, mostra os itens que sofreram aumento de preço
    Saiba mais
  • Ao sair para comer, pedir um cafezinho antes da conta é quase automático. Organizar uma semana temática para “divulgar” a bebida pode parecer estranho, mas a programação da terceira edição da Coffee Week está aí para provar que o universo do café supera o trivial e merece ser explorado. De sexta (15) até o dia 30, o evento reúne quarenta estabelecimentos que fazem receitas diferentes com o produto ou oferecem preços promocionais. No Via Emilia Piadineria, casa de Pinheiros especializada nos sanduíches italianos chamados de piadinas, o blend exclusivo preparado pela cafeteria Sofá Café serve de base para um drinque acrescido de conhaque e licor Amarula. Custa R$ 14,90, o mesmo preço de uma piadina doce acompanhada de uma xícara feita na cafeteira italiana Bialetti. No centro, o Cafezal faz uma inusitada versão coada batida com mel e manteiga finalizada por raspas de limão-siciliano (R$ 7,00). Para dividir entre duas pessoas, a opção acompanhada de bolo de coco gelado sai por R$ 18,00. + Mais sobre a Coffee Week
    Saiba mais
  • Bairros / Museus

    Museu da Imigração

    Rua Visconde De Parnaíba, 1316, Brás

    Tel: (11) 2692 1866

    5 avaliações

    Após quatro anos fechado, o Museu da Imigração reabriu para o público no início de 2014. O prédio da antiga Hospedaria de Imigrantes, que recebeu cerca de 2,5 milhões de pessoas de 1887 a 1978, passou por sua primeira restauração completa. Como a construção é tombada, a única alteração no projeto original foi a instalação de um elevador para cadeirantes. Já o museu traz novidades: loja, café, biblioteca, wi-fi no jardim e interligação com a maria-fumaça (pago à parte; 15 reais). O passeio é uma opção divertida para levar as crianças. Elas podem saber como foi passar por ali décadas atrás por meio de uma exposição permanente. Nela, há um painel interativo que forma um mosaico de rostos e a reprodução de um quarto e do refeitório, nos quais se podem ler cartas reais deixadas para trás. O lugar também oferece uma bonita sala para atividades infantis.

    Programação: 

    Exposição Migrar: experiências, memórias e identidades

    Mostra como os processos migratórios fazem parte de toda a história da humanidade e aprofunda os ocorridos mais recentemente, durante os séculos XIX e XX. Também apresenta o cotidiano da Hospedaria de Imigrantes do Brás e a influência da imigração na cidade e estado de São Paulo.

    Saiba mais
  • O palco é das princesas em três teatros da cidade
    Saiba mais
  • As melhores peças infantis em cartaz

    Atualizado em: 2.Set.2016

    Cinco atrações que conquistam a plateia
    Saiba mais
  • Em cartaz no Itaú Cultural, a Ocupação Aloisio Magalhães apresenta a trajetória de um dos designers mais importantes do país. Foi na prancheta do pernambucano que surgiram logotipos famosos, como os da Petrobras e da Bienal de São Paulo. O reconhecimento de sua atividade foi tal (ele faleceu em 1982, aos 54 anos) que a data escolhida para comemorar o dia do designer é 5 de novembro, a mesma do seu nascimento. Essa figura tão interessante, porém, não ganha uma montagem à altura. A abrangente exposição tenta fazer um panorama da carreira do artista, que começou pintando aquarelas e telas — elas lhe valeram uma participação na 30ª Bienal de Veneza — e terminou desenvolvendo políticas públicas, como funcionário do Ministério da Educação e Cultura do governo de João Figueiredo. Há muita informação em forma de texto, o que deixa a mostra um pouco confusa e menos atraente. A área dedicada ao legado no campo político, por exemplo, se resume a frases que exprimem seu modo de pensar. Ainda assim, há itens que chamam atenção, caso das cédulas de cruzeiro que desenhou em 1967 após uma seleção promovida pelo Banco Central. De 26/7/2014. Até 24/8/2014.
    Saiba mais
  • Duas mostras para conferir

    Atualizado em: 8.Ago.2014

    Faltam poucos dias para duas das melhores mostras da cidade saírem de cartaz
    Saiba mais
  • Cinco exposições imperdíveis

    Atualizado em: 15.Ago.2016

    Confira as mostras paulistanas mais bem avaliadas
    Saiba mais
  • Depois de levarem 3 milhões de espectadores ao cinema e conquistarem fãs na série do Multishow, os atores Fábio Porchat e Miá Mello montaram um espetáculo de mesmo nome dos outros produtos. Com história inédita escrita por Tati Bernardi, a comédia se passa na noite de núpcias dos personagens Miá e Fábio, casados um mês depois de terem se conhecido. Diálogos rápidos e piadas certeiras dão o tom. Estreou em 1º/8/2014. Até 29/11/2015.
    Saiba mais
  • Atores conhecidos do grande público estão em cartaz na cidade
    Saiba mais
  • Instant Article

    Melhores peças em cartaz

    Atualizado em: 25.Nov.2016

    Veja algumas montagens que valem o ingresso
    Saiba mais
  • Uma plataforma de madeira forrada com lona representa a piscina do treino de natação. A luz chapada e azul cria a água que não está lá. Um grupo de adolescentes que se exercitam juntos e precisam lidar com a morte de um deles é o tema do drama Submarino, no qual são abordadas ainda as dificuldades de entender a morte e seguir a rotina. A peça tem direção cuidadosa de Pedro Granato, que se esforça para marcar bem os movimentos e, de certa forma, exigir menos de seus jovens atores. Os elementos que formam a montagem, portanto, são bons. O elenco, porém, mostra-se imaturo e transforma o que poderia ser um belo espetáculo em algo apenas regular. Com Bárbara Sgarbi, Celina Vaz, Gabriel Tavares, Jonatan Justolin, Manuela Pereira, Matheus Polimeno, Pedro Monteiro e Victoria Martinez. Estreou em 2/8/2014. Até 15/10/2014.
    Saiba mais
  • A trajetória de Al Jarreau, de 74 anos, mostra-se bem peculiar. Hoje, ele é o único que pode se gabar de ter prêmios Grammy em três categorias — jazz, R&B e pop —, mas a carreira demorou a deslanchar. Isso só ocorreu quando o americano tinha 35 anos e lançou o álbum de estreia, We Got By (1975), tornando-se um nome relevante a partir de então. Antes, Jarreau estudou psicologia, trabalhou em centros de reabilitação, se envolveu com a cientologia (para abandoná-la em seguida), cantou em bares e gravou versões para clássicos de Al Green e Bill Withers sem fazer muito alarde. Sucesso meeeesmo só em 1981, com Breakin’ Away, o primeiro trabalho a despontar entre as dez mais das paradas americanas. Conhecido pela improvisação vocal e pelos arranjos sofisticados de suas canções, Jarreau vem à cidade com o novo My Old Friend: Celebrating George Duke, no qual homenageia o pianista morto no ano passado. À frente de Joe Turano (teclado, saxofone, backing vocals), Chris Walker (baixo e backing vocals), Rodney Holmes (bateria), John Calderon (guitarra) e Larry Williams (teclado e flauta), ele interpreta as memoráveis Double Face e Mornin’, além de versões de Your Song, de Elton John, e Take Five, de Dave Brubeck. Dia 14/8/2014. 
    Saiba mais
  • Uma das principais bailarinas da nova geração da dança contemporânea, a mineira Morena Nascimento faz nova e breve temporada da coreografia Rêverie (2013). A peça nasceu em parceria com Carolina Bianchi com base na observação de colagens da fotógrafa alemã naturalizada argentina Grete Stern (1904-1999). Sozinha, Morena capricha nas caras e bocas e adiciona às cenas canto e dramaturgia, com falas em diversas línguas. No palco, usa da experiência adquirida na aclamada companhia alemã Tanztheater Wuppertal Pina Bausch, onde atuou de 2007 a 2010. Projetores de slides criam efeitos de iluminação e lançam imagens no cenário, com as quais a bailarina interage. O espetáculo conta com canções contrastantes, de artistas como Ray Conniff e Rodrigo Amarante. Dias 26, 27 e 28/6/2015.
    Saiba mais
  • Leandro Hassum, assim como Fábio Porchat, está se tornando um astro da comédia nacional, sobretudo depois do sucesso de Até que a Sorte Nos Separe e sua continuação. O problema: seus personagens possuem quase sempre o mesmo estereótipo, o do gordinho atrapalhado e metido numa fria. Vestido pra Casar segue a linha dos trabalhos anteriores. Tem lá seu humor fácil, para a plateia gargalhar, e outros tantos momentos constrangedores. De quem é a culpa? Aqui, certamente, dos roteiristas, que criaram uma história descabida movida por momentos de graça repetitiva. Hassum interpreta Fernando, prestes a se casar com a caretinha Nara (Fernanda Rodrigues). Ao buscar a moça no aeroporto, ele se desentende com a ex-BBB Valentina (Renata Dominguez). O bate-boca terá consequências piores. Fernando, sem querer, rasga o vestido da celebridade e um paparazzo registra o flagra. Saldo da conta: às vésperas do casamento, o noivo precisa arranjar uma roupa idêntica para ela. A partir daí, tal qual em Se Puder... Dirija!, a trama cai na vala comum para encontrar pretextos para o protagonista se distanciar cada vez mais de seu objetivo. Estreou em 7/8/2014.
    Saiba mais
  • Carmen (Daniela Rincón) e Alfredo (Andrés Almeida) se conhecem desde criança e, acima de qualquer problema,  formam um casal feliz. A afinidade vem do prazer pela comida e pela sintonia na cama. Algo, porém, vai tirar a harmonia da dupla. Por causa de uma promoção na empresa, Alfredo é obrigado a mudar para a Cidade do México e Carmen, que trabalha com a família, vira uma dona de casa sem muita vocação para as tarefas domésticas. O acaso a faz encontrar um palestrante que defende o emagrecimento. Carmen já foi humilhada por estar muito acima do peso e embarca na jornada de trocar os bolinhos pela salada. Meio a contragosto, o marido decide seguir a dieta. Chega a ser surpreendente o decorrer da trama. Questões como adaptação e crise conjugal são abordadas de forma sensata. Em seu terço final, porém, a comédia mexicana perde o prumo e vai ao encontro de um desfecho conformista. Estreou em 7/8/2014.
    Saiba mais
  • Boas dicas para aproveitar um dia especial
    Saiba mais
  • Comédia dramática

    Saiba quais são os melhores filmes em cartaz

    Atualizado em: 1.Dez.2016

    O crítico Miguel Barbieri Jr. selecionou as produções mais bem avaliadas
    Saiba mais
  • Bairros / Comportamento

    Encontrado na tradução

    Atualizado em: 9.Ago.2014

Fonte: VEJA SÃO PAULO