Entrevista

Meu Estilo: Pedro Lourenço

Para o estilista, o melhor do inverno é ficar em casa sob uma manta de cashmere e curtir um chá-verde bem quente

Por: Juliana Mariz

Pedro Lourenço Luxo
Sopa de funghi do Fasano: entre as preferências do estilista para a fria temporada (Foto: Eduardo Svezia)

Embora só tenha 20 anos, Pedro Lourenço já fez tanto na vida — ou melhor, na moda — que a sensação é que ele pertence à geração de criadores dos pais, os também estilistas Gloria Coelho e Reinaldo Lourenço. Depois de passar pela SPFW assinando coleções sob a etiqueta Carlota Joakina e, mais tarde, a que leva seu nome e sobrenome, Pedro arrumou a mala e estreou em Paris. Imediatamente caiu nas graças das editoras mais poderosas do mundo. Ainda que muitas não consigam dizer seu nome de primeira (por culpa da cedilha, a pronúncia mais comum é Lorenco), todas sabem muito bem quem é o brasileiro novinho, novinho que modela o couro como poucos.

Veja São Paulo - Um inverno inesquecível.

Pedro Lourenço - Fui com meus pais para o Atacama, em 2007. O deserto, sem vida, é energia pura.

Veja São Paulo  - Seu fim de semana de inverno não é completo...

Pedro Lourenço - Se eu não me vestir de couro.

Veja São Paulo - Qual o melhor passeio para fazer nos dias frios em São Paulo?

Pedro Lourenço - Prefiro ficar em casa.

Veja São Paulo - O melhor jeito de relaxar no frio é...

Pedro Lourenço - Tomar um bom banho. E não passo nada depois porque ainda sou jovem.

Veja São Paulo - O que não pode faltar no guarda-roupa?

Pedro Lourenço - Um casaco de náilon bem cheio e vintage.

Veja São Paulo - Qual o jeito mais luxuoso de ficar quentinho?

Pedro Lourenço - Debaixo de uma manta de cashmere.

Veja São Paulo - Como passar o inverno em alta classe?

Pedro Lourenço - Não ter a pretensão de passar o inverno em alta classe.

Veja São Paulo - Um restaurante, um prato e uma bebida que são a cara do inverno.

Pedro Lourenço - A sopa de funghi do Fasano e um chá-verde bem quente.

Fonte: VEJA SÃO PAULO