Entrevista

Meu Estilo: Arthur Casas

Fondue, vinho, lareira e amigos. Essa é uma boa receita para o inverno, de acordo com o arquteto Arthur Casas

Por: Juliana Mariz

Arthur Casas Luxo
Pescoço chique: um cachecol Hermès para enfrentar o frio com classe (Foto: Eduardo Svezia)

Se São Paulo fosse desenhada por Arthur Casas, possivelmente seria uma das cidades mais chiques — e arborizadas — do planeta. Dono de um traço minimalista, ele assina projetos que se destacam no nosso skyline, caso do Hotel Emiliano. Sem falar no Shopping Cidade Jardim, no restaurante Kosushi e nas lojas de estilistas bacanas, como Alexandre Herchcovitch. Ele mantém um escritório em Nova York e já mostrou ao mundo, inclusive à capital do bom gosto, Paris, como se decora um ambiente perfeito.

Veja São Paulo – Do que você mais gosta em São Paulo?

Arthur Casas – Adoro a área verde que o loteamento urbano da Companhia City nos proporcionou e que hoje é um oásis no meio de tantos prédios horríveis.

Veja São Paulo – Seu fim de semana de inverno não é completo...

Arthur Casas – Se eu não for à praia. Adoro frequentar minha casa em Iporanga, no Guarujá, nos fins de semana ensolarados de frio.

Veja São Paulo – O melhor jeito de enfrentar baixas temperaturas com classe.

Arthur Casas - Com um cachecol Hermès.

Veja São Paulo – Como relaxar no inverno?

Arthur Casas – Tomar um vinho tinto de boa safra.

Veja São Paulo – Qual o melhor programa para a São Paulo friorenta?

Arthur Casas – Ir ao cinema, estar com os amigos, curtir a lareira.

Veja São Paulo – O que não pode faltar em uma casa de inverno?

Arthur Casas – Aquecedor.

Veja São Paulo – E no guarda-roupa?

Arthur Casas – Cashmere, muitos cashmeres!

Veja São Paulo – Que restaurante, prato e bebida são a cara do inverno?

Arthur Casas – O fondue do Toriba, em Campos do Jordão, o boeuf bourguignon do Casserole, o cassoulet do Charlô. Tudo acompanhado de vinho, sempre vinho.

Veja São Paulo – Uma temporada inesquecível.

Arthur Casas – O último Carnaval que passei com amigos em Nova York e em Connecticut foi bem legal, pois os dias estavam claros e frios, do jeito certo. De forma geral, fujo do verão.

Fonte: VEJA SÃO PAULO