publicidade

Transportes

Metrô: trecho da Linha Amarela deve ser inaugurado na próxima semana

As estações de metrô Paulista e Faria Lima, da Linha 4 — Amarela, estão em fase final de testes e sua inauguração deverá ocorrer na próxima semana

26.mar.2010 | Atualizada em 7.dez.2010 por Daniel Salles

A partir de abril, quando o trecho sul do Rodoanel e a nova pista da Marginal Tietê deverão estar liberados, dirigir pela capital poderá deixar de ser uma tarefa tão estafante. Pelos cálculos da prefeitura, a lentidão em toda a cidade cairá 12%, pelo menos em um primeiro momento. Mas há boas novas também para quem usa — ou gostaria de usar — o transporte público. As estações de metrô Paulista e Faria Lima, da Linha 4 — Amarela, estão em fase final de testes e sua inauguração deverá ocorrer na próxima semana. Outros quatro terminais do novo ramal (Butantã, Pinheiros, República e Luz) estão prometidos para o fi m deste ano — o Metrô não divulga uma data precisa. A linha completa, que ligará o centro à Vila Sônia, na Zona Oeste, será concluída apenas em 2012 (veja o mapa abaixo). Um batalhão de operários trabalha a 30 metros de profundidade para finalizar ainda em 2010 as estações Tamanduateí e Vila Prudente, da Linha 2 — Verde. Se tudo correr no prazo, São Paulo contará com 78 quilômetros de trilhos de metrô em 2011, 15,7 quilômetros a mais do que hoje. Nossa rede continuará pequena se comparada à de metrópoles como Londres (408 quilômetros), Nova York (368 quilômetros) e Paris (213 quilômetros). Mas trará um alívio e tanto. “Teremos finalmente uma malha metroviária”, diz o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella. “Ela interligará todas as regiões do município e ajudará a desafogar terminais que hoje operam no limite, como Sé e Barra Funda.” Uma expansão ainda maior está prevista para 2014, ano da Copa do Mundo no Brasil.

Ilustração: Gisele Libutti

Hoje, temos 62,3 quilômetros de metrô. Mais 27,2 quilômetros estão atualmente em obras

Hoje, temos 62,3 quilômetros de metrô. Mais 27,2 quilômetros estão atualmente em obras

Quando começaram as obras da Linha Amarela, em 2005, a previsão era que as primeiras estações fi cariam prontas três anos depois. O atraso se deve, entre outros fatores, à demora no processo de desapropriação de alguns imóveis e ao acidente no canteiro de obras da futura Estação Pinheiros, em janeiro de 2007, em que sete pessoas morreram tragadas por uma cratera. Até o fim do ano que vem, o governo estadual — responsável também pela obra do Rodoanel — terá investido 21 bilhões de reais na melhoria dos transportes sobre trilhos. Cerca de 3 bilhões foram usados para adequar o sistema de segurança e de comunicação. Outros 5 bilhões destinaram- se à compra e recuperação de trens. A maior parte desse valor — 13 bilhões de reais — está sendo gasta com a expansão das vias existentes do metrô e para tirar outras do papel. Orçada em 2,1 bilhões de reais, a nova Linha 4 — Amarela é a mais aguardada da rede. De acordo com as previsões do Metrô, ela deverá receber diariamente cerca de 1 milhão de pessoas — 700 000 delas já neste ano. O sistema atual é utilizado todos os dias por 3,3 milhões de passageiros. “O trânsito deverá melhorar principalmente na Rua Teodoro Sampaio e nas avenidas Rebouças e Nove de Julho”, prevê Horácio Augusto Figueira, consultor em engenharia de tráfego e transportes. “Mas para isso é fundamental que os corredores exclusivos de ônibus dessas vias sejam mantidos.”

O novo ramal, o único a passar por baixo do Rio Pinheiros, será o mais moderno da cidade. Os catorze trens que vão percorrer seus 12,8 quilômetros não terão condutores. Toda a operação será feita por um centro de controle montado na estação Vila Sônia. Para minimizar os riscos de acidente, as plataformas serão vedadas com paredes de vidro que se abrem apenas com a chegada das composições. O terminal Paulista ganhou uma esteira rolante com 100 metros de comprimento, responsável por fazer a ligação com a estação Consolação, na Linha 2 — Verde. Além de ar-condicionado e som ambiente, os trens terão passagem livre entre os vagões, o que ajudará a equilibrar eventuais aglomerações em horários de pico. A empresa que vai operar os trens por trinta anos, em sistema de concessão, promete acesso gratuito à internet sem fio nos túneis e intervalo de 75 segundos entre as viagens. São bons motivos para comemorar o fato de deixar o carro na garagem.

A EXPANSÃO DEVE CONTINUAR

Conheça alguns dos projetos da Companhia do Metropolitano de São Paulo:

Linha 5 — Lilás (prometida para 2014 - em obras)

A extensão do ramal que atualmente vai do Capão Redondo ao Largo Treze, na Zona Sul, terá onze estações e chegará à Chácara Klabin

Linha 6 — Laranja (prometida para 2014 - em projeto)

O ramal, pontuado por quinze plataformas, ligará a Vila Brasilândia, no extremo norte da capital, à Zona Sul

Linha 15 — Branca (prometida para 2014 - em projeto)

Terá nove estações e ligará o Jardim Tiquatira à Vila Prudente, na Zona Leste

Linha 16 — Prata (prometida para 2014 - em projeto)

O corredor subterrâneo começará na Lapa, na Zona Oeste, e terminará na Vila Cachoeirinha, na Zona Norte, dez estações depois

Linha 17 — Ouro (prometida para 2014 - em projeto)

O ramal vai ligar o Morumbi ao terminal São Judas, da Linha 1 — Azul. Uma de suas treze plataformas ficará próxima do Aeroporto de Congonhas.

publicidade

X

Avaliação de VEJA SP

Não foi avaliado

Avaliação de VEJA SP

Péssimo

Avaliação de VEJA SP

Fraco

Avaliação de VEJA SP

Regular

Avaliação de VEJA SP

Bom

Avaliação de VEJA SP

Muito bom

Avaliação de VEJA SP

Excelente

Avaliação dos usuários

Ainda não foi avaliado

Avaliação dos usuários

Péssimo

Avaliação dos usuários

Fraco

Avaliação dos usuários

Regular

Avaliação dos usuários

Bom

Avaliação dos usuários

Muito bom

Avaliação dos usuários

Excelente

Avaliação do usuário

Péssimo

Avaliação do usuário

Fraco

Avaliação do usuário

Regular

Avaliação do usuário

Bom

Avaliação do usuário

Muito bom

Avaliação do usuário

Excelente

Péssimo

Fraco

Regular

Bom

Muito bom

Excelente

Comente

Envie por e-mail