Cidade

Mercado das Pulgas agita o Minhocão neste domingo

Segunda edição da feira de usados tem  venda de livros, roupas e apresentações no elevado

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Mercado de Pulgas
Mercado de pulgas no Minhocão: comércio com livros, comidinhas e outros produtos (Foto: divulgação)

Um dos pontos de concentração neste final de tarde ensolarado da capital é o Minhocão, no centro. A via, que fica fechada aos domingos, está sediando a segunda edição do Mercado das Pulgas, feira de produtos usados que reúne milhares de pessoas para trocar roupas, livros e outros tipos de artigos, como DVDs. Ainda há venda de bebidas, como caipirinhas e vinho, e produtos veganos. 

+ Confira os eventos que estão mudando a cara do Minhocão

A estudante Kátia Harumi, de 24 anos, reuniu vestimentas usadas pela irmã e pela tia para montar um brechó no local. "Vou juntar o que conseguir para usar em uma viagem que pretendo fazer", diz. Ela, que chegou às 15h na feira, conseguiu vender três peças e juntar 65 reais. "Está um clima muito gostoso, aqui. Temos  a liberdade de chegar e vender nossas coisas. É uma nova forma de economia que surge, mais criativa", avalia.  

Mercado das Pulgas
A estudante Kátia Harumi, de 24 anos: 65 reais ganhos com venda de roupas (Foto: Veja São Paulo)

A feira, que ocupa uma das faixas do Minhocão, reune participantes desde a região da estação Marechal Deodoro até o final da via, no Pacaembu. Além dos vendedores, o local ainda conta com a presença de grupos de percussão e sapateado. Um dos conjuntos que fazia música na via era o Embatucadores, da Zona Norte, formado por alunos de iniciação musical que tocam com instrumentos feitos de sucata. Há até corte de cabelo por 35 reais.

Mercado das Pulgas: Grupo Embatucadores
Grupo Embatucadores: percussão com sucata (Foto: Vinícius Tamamoto)

O evento no Facebook que convocava participantes à feira contava com cerca de 11 000 presenças confirmadas. No entorno, quase não há lixo espalhado pelo chão.  A previsão é de que o movimento na via ocorra até as 20h. 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO