POLÍCIA

Polícia pede a prisão de quatro suspeitos de estuprar menor no Rio

Adolescente prestou depoimento na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI)

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Mensagem estupro rio
Mensagem divulgada pela vítima, na quinta (26) (Foto: Reprodução Facebook)

Em seu perfil no Facebook, a jovem de 16 anos que foi vítima de um estupro coletivo no último sábado, 21, no Rio, agradeceu as mensagens de apoio. Na mensagem publicada na rede social na quinta-feira, 26, ela escreveu: "Realmente pensei serei (sic) que seria julgada mal! Mas não fui", diz a jovem. "Não, não dói o útero e sim a alma por existirem pessoas cruéis sendo impunes!! Obrigada ao apoio." 

Desde que o caso veio à tona, as redes sociais foram inundadas de campanhas contra a violência sexual contra mulheres. Fotos de perfis foram cobertas com as frases "Precisamos falar sobre a cultura do estupro" e "Eu luto pelo fim da cultura do estupro". Na manhã desta sexta (3), a hashtag #EstuproNaoÉCulpaDaVítima ocupava o segundo lugar nos trending topic do Twitter. Em outra campanha, a imagem de uma mulher sangrando, pendurada como Jesus à cruz, era disseminada nas redes. Usuários ainda compartilharam mensagens como "Não foram 30 contra 1, foram 30 contra todas. Exigimos justiça!". 

Até o momento, foram identificados quatro homens suspeitos de participar do crime: Michel Brazil da Silva, de 20 anos, Lucas Perdomo Duarte Santos, de 20 anos, Raphael Assis Duarte Belo, de 41 anos, que aparece na imagem do lado da jovem, e Marcelo Miranda da Cruz Correa, de 18 anos, envolvido na divulgação das imagens da vítima. Todos tiveram a prisão preventiva pedida pela polícia.

Por meio de seu advogado, Marcelo afirmou que não sabia que a jovem havia sido violentada. Ele contou ter recebido a foto num grupo de WhatsApp e, em seguida, compartilhou em sua conta no Twitter, já excluída da rede devido à repercussão. "Ele brincou de maneira absurda. Faltou maturidade, não foi com intenção de causar vexame à garota", disse o advogado Igor Luiz Carvalho. "A família está arrasada. Ninguém concorda com o ato dele de divulgar a foto, foi até uma monstruosidade. Mas ele não sabia que era um estupro", afirmou.

Na fotografia compartilhada por Marcelo, estava um dos homens envolvidos diante do corpo da jovem, estirado de bruços sobre a cama. Segundo o advogado, seu cliente não conhecia a vítima nem os agressores. Em depoimento à polícia, a garota contou que foi atacada por 33 homens e só lembrava de ter acordado no dia seguinte, "dopada e nua".

O advogado classificou o pedido de prisão de Marcelo como "descabido" e disse que a polícia está atuando "de forma midiática". "Ele não participou do estupro, nem sabia que a menina tinha sofrido violência sexual", insistiu. O advogado informou ainda que seu cliente não se apresentará às autoridades e que ele tentará reverter o pedido de prisão.

estupro
Postagem da internet sobre o estupro (Foto: Reprodução)

Depoimento

Nesta quinta (26), em depoimento a policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), da Polícia Civil do Rio de Janeiro, que foi atacada por 33 homens armados de fuzis e pistolas. Ela contou que, no último sábado, 21, fora visitar o namorado no morro do Barão, na Praça Seca, zona oeste carioca, e só lembra de ter acordado, no dia seguinte, "dopada e nua", em uma casa desconhecida, cercada pelos agressores.

De acordo com os investigadores, quatro homens envolvidos no crime já foram identificados e o delegado responsável pelo caso já pediu a prisão preventida de quatro deles. Um deles seria Lucas Perdomo Duarte Santos, de 19 anos, com quem a vítima mantinha um relacionamento havia três anos. Também foram identificados Marcelo Miranda da Cruz Corrêa, de 18 anos, Raphael Assis Duarte Belo, de 41 anos, que aparece fazendo um selfie rindo com a jovem desacordada ao fundo, além de Marcelo Miranda da Cruz Corrêa, de 18 anos, apontado como o responsável pela divulgação dos vídeos e imagens nas redes sociais.

No depoimento à Polícia Civil, reproduzido no site da revista VEJA, a vítima contou que, depois de acordar, vestiu roupas masculinas e pegou um táxi para casa, no bairro da Taquara, também na zona oeste. A jovem é mãe de um menino de 3 anos.

Ainda de acordo com o depoimento, ela soube, na terça-feira passada, que um vídeo com imagens suas depois do estupro havia sido divulgado nas redes sociais e em sites de relacionamento. Nesse mesmo dia, segundo as informações prestadas à polícia, ela voltou à favela e cobrou do chefe da quadrilha dos traficantes de drogas, não identificado, que devolvesse seu celular, possivelmente furtado no dia do estupro coletivo.

Segundo a jovem, o traficante disse não ter encontrado o celular, mas prometeu ressarcir-lhe o prejuízo. Disse também que se informaria sobre o estupro. A vítima disse que se relaciona com o namorado há três anos e que costumava usar ecstasy, lança-perfume e cheirinho da loló, mas que há um mês não se drogava.

No depoimento, a adolescente disse que está "profundamente abalada" e que, desde que foi estuprada, tem sentido muitas dores internas. Na manhã de quinta-feira, ela foi submetida a exames no setor de ginecologia de uma maternidade da rede municipal de saúde. "Quando acordei tinham 33 caras em cima de mim. Só quero ir para casa", disse ela ao sair do hospital, em declaração reproduzida no site do jornal O Globo.

Antes do exame médico, ela prestou depoimento e foi periciada no Instituto Médico-Legal (IML). O pai, que a acompanhou na perícia, disse que, ao chegar em casa no domingo, encontrou a filha "gemendo de dor". Em entrevista à rádio CBN, a avó afirmou ter ficado chocada com o vídeo, em que um dos homens faz menção a mais de 30 estupradores e afirma: "Essa aqui, mais de 30, engravidou". "O vídeo é chocante, eu assisti, ela está completamente desligada", disse a avó.

Segundo ela, a neta tem o hábito de passar alguns dias sem dar notícias, mas que a família nunca soube que tenha sofrido abusos sexuais. A avó levantou a suspeita de que o estupro coletivo tenha sido "vingança" do namorado, que teria suspeitado de uma traição da garota. Os nomes da jovem e de seus parentes são mantidos em sigilo pela polícia.

Investigação

O caso também é investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), que recebeu uma denúncia anônima do estupro coletivo e da divulgação das imagens nas redes sociais. Segundo o MP-RJ, cerca de 800 comunicações do caso foram feitas à Ouvidoria. A promotoria pediu que agora sejam encaminhadas apenas denúncias que tenham informações novas sobre o caso.

O grupo de hackers brasileiros do Anonymous também anunciou que aderiu a causa e está atuando na busca dos suspeitos. Mensagem foi deixada pelo grupo na quinta (26), na rede Pastebin. 

Barbárie

A Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-RJ) classificou o caso como "barbárie". "Os atos repulsivos demonstram, lamentavelmente, a cultura machista que ainda existe, em pleno século 21", diz a entidade em nota. "Um estupro coletivo, com requintes de crueldade, no qual vários indivíduos perpetuaram a humilhação expondo, nas redes sociais, a dor da vítima", afirma a entidade.

A OAB-RJ atenta ainda para o fato de que, para cada caso público de estupro, tantos outros permanecem ocultos, sem repercussão. "Precisamos lutar contra a violência em cada lar, em cada comunidade, em cada bairro. A revolta e a mobilização são claros indícios de que a indignação social se faz fortemente presente", diz a nota.

Diante do ocorrido, a OAB-RJ afirma que frases machistas, piadas sexistas e propagandas que tornam a mulher um objeto sexual devem ser combatidas, "sob o risco de se tornarem potenciais incentivadoras de comportamentos perversos". A entidade está oferecendo assistência jurídica à família e afirma esperar que a lei prevaleça na punição aos responsáveis. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo