Litoral

Criança morre após engasgar com pipoca em Cubatão

O menino de 1 ano e 11 meses chegou ao pronto socorro central da cidade com parada cardiorrespiratória

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

PS Central Cubatão
Menino foi encaminhado ao pronto socorro central: quadro clínico considerado irreversível (Foto: Reprodução)

Após se engasgar ao comer pipoca, Luan Francisco de Oliveira, de 1 ano e 11 meses, morreu ao sofrer uma parada cardiorrespiratória. O caso aconteceu na Vila dos Pescadores, em Cubatão, no litoral paulista, no último domingo (12).

+ Polícia apreende suspeitos de tentar roubar humorista do "Pânico na Band"

A criança foi encaminhada para o pronto socorro central da cidade. Entretanto, o quadro era irreversível, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

O menino comia pipoca quando começou a passar mal por volta das 20h30. Os pais de Luan ligaram para o serviço de emergência. Entretanto, com a ajuda de amigos, eles levaram o menino em um carro até a unidade de saúde.

A criança chegou ao pronto socorro por volta das 20h50 já com parada cardiorrespiratória, de acordo com a Secretaria de Saúde. Apesar do atendimento da equipe médica, o menino não resistiu.

+ Justiça condena homem que torturou esposa

Cuidados

Pediatra da Santa Casa de Misericórdia, Ivan Pistelli explica que os menores só devem começar a comer alimentos como pipoca a partir dos 4 anos "Antes disso, a criança ainda não consegue identificar o que é perigoso engolir. Também é comum se engasgar com pequenas peças de brinquedo." 

Em caso de problemas, Pistelli orienta os pais colocarem a criança deitada lateralmente. Na sequência, é recomendando dar alguns tapinhas sem muita força nas costas. "No entanto, se a comida não for colocada para fora, é necessário procurar rapidamente o atendimento médico, já que existe o risco de obstruir as vias respiratórias”.

Confira as principais notícias da cidade

Na internet, o Corpo de Bombeiros também faz algumas recomendações. Com o bebê de barriga para baixo, dar cinco leves tapas nas costas pode ser uma solução. A massagem torácica é recomendada. Se a criança se engasgar, os pais podem pedir ajuda pelo telefone 193.

Fonte: VEJA SÃO PAULO