Esporte

Aumenta o número de meninas skatistas em São Paulo

São 40.000 apenas na capital e o número não para de crescer

Por: Flora Monteiro

Fernanda Malta - Skate 2256
A estudante Fernanda: manobras nas ruas e parques da capital (Foto: Fernando Moraes)

Incentivada por amigos do colégio, a paulistana Fernanda Malta, de 18 anos, comprou seu primeiro skate há nove meses. Com colar no pescoço e maquiada, ela desliza por ruas, parques e pistas e é uma das que aderiram à modalidade nos últimos cinco anos, fazendo o time de garotas nessa área atingir a marca de 40.000 pessoas em São Paulo. “É uma atividade democrática, qualquer pessoa pode aprender”, diz Fernanda. A invasão feminina sobre as pranchinhas de madeira é visível, mas o avanço forma um contingente ainda tímido quando comparado aos 346.500 homens adeptos do esporte na cidade. Um cenário que deve mudar com o tempo, segundo elas. “Alguns anos atrás, eu não era bem-vista por invadir um universo masculino”, conta Renata Paschini, vice-campeã mundial na categoria vertical no ano passado. “Hoje, ninguém estranha mais uma menina fazendo manobras.”

+ Skates motorizados invadem as ruas

+ Cinco lugares para andar de skate em São Paulo

 

Para especialistas, o surgimento de campeãs ajudou no crescimento do número de interessadas. “É uma influência direta dos bons resultados das brasileiras em torneios no exterior, como a Karen Jones, campeã em 2006 de um circuito por República Checa, Estados Unidos e Canadá”, afirma o vice-presidente da Confederação Brasileira de Skate, Edson Scander. “As marcas deixaram de investir apenas nos homens e se voltaram também para elas.” Nesse processo, três paulistanas — Ligiane Antunes, Reine Oliveira e Laura Alli — fecharam recentes contratos de patrocínio para 2012. O que é expressivo, considerando que apenas a carioca Christie Aleixo ganhava dinheiro como skatista no país até o ano passado. Desde 2006, o número de torneios oficiais com categoria feminina na capital saltou de três para dez. Já os prêmios para as campeãs passaram a girar em torno de 10.000 reais — dez vezes mais do que há cinco anos.

Projetos de incentivo também colaboraram para o recente boom. Desde 2010, a Associação Feminina de Skate colocou mais de 3.000 meninas em contato com a modalidade na capital por meio de campeonatos, aulas e oficinas, além de apoiar a única competição exclusiva para mulheres em São Paulo. A edição mais recente da Skate para Meninas Street Show ocorreu em novembro, na Lapa, reunindo cerca de cinquenta atletas, entre brasileiras e estrangeiras.

MUDANÇA DE PERFIL

O avanço feminino na modalidade nos últimos cinco anos

Número de praticantes

2006: 30.000

2011: 40.000

Competições

2006: 3

2011: 10

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO