Bares

Os melhores bares japoneses da cidade

Confira o ranking do cinco mais bem avaliados e mais outros cinco endereços que vale a pena conhecer

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Tan Tan Noodle Bar
Fios de lámen em caldo de galinha do Tan Tan: com copa moída, broto de feijão, gergelim e acelga chinesa (Foto: Ricardo d’Angelo)

Ao lado dos restaurantes de cozinha japonesa, muito conhecidos pelos sushis e sashimis que oferecem, a cidade está repleta de bares à moda oriental. São casas cada vez mais populares em que é possível petiscar ao lado de um copo de shochu ou saquê.

Na lista a seguir, estão elencados dez bares. Os cinco primeiros compõem um ranking dos melhores na avaliação do repórter e crítico de bares Saulo Yassuda.

+ Os melhores restaurantes japoneses

5º lugar. Izakaya Issa: comece com o saquê extrasseco Hakuro geladinho (R$ 23,00 a dose). A bebidade sabor suave faz boa companhia à porção de quatro entradas (R$ 24,00), que costuma trazer em potinhos raiz de lótus fatiada e cebolinha temperada com missô e wasabi.

4º . Izakaya Matsu: abocanhou o prêmio de melhor petisco na mais recente edição do especial VEJA COMER & BEBER, graças às deliciosas asinhas de frango — ou tebasaki (R$ 25,00) —, de pele bem crocante. O petisco vai além do gosto salgadinho: dá para perceber um toque picante e uma nota adocicada enquanto se saboreia a carne e as mãos se lambuzam.

Izakaya Matsu
Asinhas de frango: petisco premiado do Izakaya Matsu (Foto: Fernando Moraes)

3º. Taka Daru: é da grelha a gás que pulam boas virtudes do novo bar: os espetinhos, em versões como fígado de galinha (R$ 4,80) e ovo de codorna ao molho tarê (R$ 5,20). Peça também a barriga de porco picadinha com acelga picante (R$ 22,80).

2º. Huto Izakaya: endereço bem moderninho e de cenário intimista. Agradam em especial as robatas, ou espetinhos na grelha a carvão. Há versões como tentáculo de lula ao missô e maracujá e de robalo com a erva shissô, umeboshi e for de sal (R$ 12,00 cada um)

1º. Tan Tan Noodle Bar: não raro, aguardam-se mais de duas horas por um assento no exíguo salão com 24 lugares. Depois de acomodado, agrada em cheio o noodle tan tan: mergulhados em um saboroso caldo de galinha, os fos de lámen com copa moída, broto de feijão, gergelim e acelga chinesa trazem um delicioso ovo cozido com uma incrível textura cremosa (R$ 34,00).

Huto Izakaya
Espetos de lula, robalo e contrafilé com foie gras: do Huto Izakaya (Foto: Ricardo D'Angelo)

Não deixe de espiar os outros cinco, todos são selecionados por VEJA SÃO PAULO e apresentados em ordem alfabética.

Hirá Ramen Izakaya: à frente do boteco moderno, o chef Daniel Parolin Hirata prepara os apetitosos hirá buns (R$ 23,00), dupla de pães chineses no vapor recheados de barriga de porco e pepino que são lambuzados de molho de missô e pimenta e aïoli com leite. O lámen pode vir mergulhado em caldo de pasta de soja com fatias de pancetta, alga, ovo cozido, massa de peixe e vegetais (R$ 38,00). 

Ikeda Ya: entre os petiscos simples e benfeitos criados pelo proprietário Mário Ikeda está o saboroso okonomiyaki (R$ 35,90 o grande), que lembra uma panqueca de massa leve feita com lula e camarão. Chamadas de wantomoe (R$10,90 a porção), as trouxinhas de massa crocante recheadas de carnes bovina e suína ao gengibre ganham a companhia de maionese de wassabi.

Izakayada: bonequinhos de Ultraman e um Godzilla enfeitam as estantes feitas de caixotes. Peça as boas costelinhas de porco marinada sem mel e laranja lambuzadas de molho tarê com uma dose de uísque (R$ 22,00). 

Minato Izakaya: de pegada moderninha, recebe um público descolado no salão de iluminação baixa. Entre os tira-gostos frios, estão as ostras vindas de Florianópolis cobertas pelo cítrico molho ponzu, deshoyu, vinagre e limão (R$ 35,00). De prato quente, há língua bovina frita coberta por molho picante (R$ 28,00).

Quito Quito Izakaya: Kaori Muranaka é a chef que veio das ilhas japonesas Ogasawara especialmente para cozinhar no espaço idealizado pelo irmão Takahiro. Em seu cardápio, o butano kakuni consiste em uma macia barriga de porco cozida na mistura de shoyu, saquê e açúcar mascavo (R$ 42,00).

Fonte: VEJA SÃO PAULO