Crime

Medo movimenta a indústria de segurança

Guerra particular faz com que o negócio atinja patamares chineses

Por: Daniel Bergamasco [com reportagem de Flora Monteiro, Ricky Hiraoka, Nathália Zaccaro e Pedro Henrique Araújo]

Haganá Capa 2258
Central da empresa de segurança Haganá: o vigia do vigia (Foto: Divulgação)

No cada vez mais sofisticado mercado de segurança privada, uma das novidades paulistanas é uma central que monitora por câmera o trabalho dos próprios porteiros. É o vigia do vigia. Se os funcionários cochilam ou se ausentam, os agentes a distância os acionam por rádio, e os relatórios podem ser usados para puni-los.

+ Violência: somos todos reféns

+ Delírio e fuga na Zona Sul de São Paulo

+ Câmeras de vídeo fazem parte da vida do paulistano

O sistema foi implantado pela Haganá, uma das líderes do setor, com 60% dos clientes na área residencial e crescimento previsto de 20% para 2012. Não se trata de sucesso isolado a reboque da insegurança. Entre 2006 e 2010, só o faturamento do setor de segurança eletrônica inflou 64% na cidade, de 256 milhões para 420 milhões de reais.

Gráfico segurança Capa 2258
(Foto: Veja São Paulo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO