Polícia

Médico diz ter emprestado 200 000 reais para familiares de Abdelmassih

Reportagem mostrou como Ruy Marco Antônio supostamente mandava o valor para o ex-médico condenado a 278 anos de prisão

Por: Veja SÃO PAULO

O médico Ruy Marco Antônio, ex-proprietário do Hospital São Luiz, afirmou por meio de seu advogado ter emprestado cerca de 200 000 reais à irmã e à filha do médico Roger Abdelmassih, preso na última terça-feira (19), em Assunção, no Paraguai. Segundo o advogado Paulo Alves Esteves, a quantia seria para quitar despesas médicas e contas atrasadas das duas. Ele nega que o valor seria para Abdelmassih.

+ Ex-dono de hospital é suspeito de ter enviado dinheiro para Abdelmassih

+ Vítimas de Abdelmassih temem prisão domiciliar e preparam protesto

"Ele conhece a família e foi colega de faculdade de Roger Abdelmassih. Há cerca de um ano, filha e irmã tiveram dificuldades financeiras e o procuraram. Como quem provia era ele (Abdelmassih), Ruy Marco Antônio quis ajudar", disse Esteves. O advogado não soube informar se alguma parte da quantia emprestada foi paga. "Ele não foi intimado. Se for, vai prestar esclarecimentos."

+ Larissa Sacco: “Ele é meu primeiro e meu último amor”

Segundo reportagem do Fantástico exibida no domingo (24), Ruy Marco Antônio teria entregado dinheiro a Sérgio Molina Júnior, administrador da empresa de produtos agropecuários Colamar, que tem como sócia a mulher de Abdelmassih, Larissa Sacco. De acordo com as investigações, Molina depositava o dinheiro na conta da empresa e Dimas Campelo Maria, amigo do ex-médico, sacava o valor e levava até Foz do Iguaçu, na Fronteira com o Paraguai.

+ Roger Abdelmassih: traído pela ostentação no Paraguai

Abdelmassih foi condenado em 2010 a 278 anos de prisão por 52 estupros (e quatro tentativas) contra 39 mulheres, em geral suas pacientes.

+ Confira o que acontece na cidade

Após a prisão no Paraguai, o médico foi imediatamente deportado para o Brasil e chegou a Foz do Iguaçu, no Paraná, no fim da tarde de terça-feira (19). Na quarta-feira, foi transferido para São Paulo, onde está preso em Tremembé, no interior do estado, numa cela de 15 metros quadrados. A policiais civis, no Aeroporto de Congonhas, o ex-médico disse que partiu da mulher a ideia de fugir.

Fonte: VEJA SÃO PAULO