Cidade

Marsilac, na Zona Sul, é onde a chance de ser assassinado é maior em SP

O Mapa da Desigualdade, da ONG Rede Nossa São Paulo, revela ainda que Moema é o lugar com menor incidência desse tipo de crime

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Chacina
Casos de chacina na Zona Sul aumentam os índices de violência na região (Foto: Nivaldo Lima/Futura Press/Folhapress)

O bairro de Marsilac, no extremo sul da capital, é o que apresenta o maior número de homicídios para cada 10 000 habitantes (4,95). A chance de ser morto ali é 43,30 vezes maior do que em Moema, na Zona Sul, que tem a menor incidência desse tipo de crime (0,114 para cada 10 000 habitantes). Os dados atualizados do Mapa da Desigualdade, da ONG Rede Nossa São Paulo, foram divulgados nesta quarta-feira (31). 

+População da capital paulista ultrapassa 12 milhões, segundo IBGE

Segundo o levantamento, o Campo Limpo, na Zona Sul, é o bairro com a maior concentração de mortes violentas entre os jovens. Nesse bairro, as chances de alguém de 15 a 29 anos ser assassinado são 16,26 vezes maiores do que na Vila Mariana, também na Zona Sul, onde esse índice é o menor da capital (0,642 por 10 000 habitantes).

+Jovem mata avó a facadas em Sorocaba

O Mapa da Desigualdade calculou ainda a concentração de moradores em favelas nos distritos paulistanos. A Vila Andrade, vizinho ao Morumbi, continua pelo oitavo ano consecutivo no topo da lista, com 49,1 para cada 10 000 habitantes. No extremo oposto desse ranking, está Pinheiros, na Zona Oeste (0,081 para cada 10 000). O levantamento listou onze bairros onde não há nenhuma favela: Moema, Sé, Brás, Consolação, República, Alto de Pinheiros, Perdizes, Jardim Paulista, Bom Retiro, Cambuci e Bela Vista. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO