Eleições

Marina se reúne com FHC em São Paulo

Candidata derrotada na disputa presidencial pode anunciar nesta quinta-feira (9) o apoio para Aécio Neves no segundo turno

Por: VEJA SÃO PAULO

Marina Silva
Marina Silva (PSB) ficou em terceiro lugar no primeiro turno (Foto: Michel Melo/Estadão Conteúdo)

A candidata derrotada na disputa presidencial Marina Silva (PSB) esteve nessa quarta-feira (8) em São Paulo com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, um dia antes da data marcada para o anúncio de seu apoio à candidatura do tucano Aécio Neves no segundo turno da eleição.

+ Luciana Genro pede voto branco ou em Dilma e Eduardo Jorge apoia Aécio

O encontro ocorreu no apartamento do tucano, horas antes do PSB, partido ao qual Marina está filiada, anunciar a adesão a Aécio. A expectativa é que a ex-ministra, que ficou em terceiro lugar na disputa, faça o mesmo nesta quinta-feira (9). Mas o anúncio poderá ser adiado, já que ela decidiu que não irá a Brasília participar da reunião da coligação dos partidos que a apoiou na campanha.

Na quarta-feira, porém, Marina recebeu o aval para apoiar Aécio da Rede Sustentabilidade - partido que a ex-ministra tentou criar no ano passado, mas teve o registro negado pela Justiça Eleitoral. De acordo com o porta-voz da Rede, Walter Feldman, o grupo decidiu que não há como apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) e que é importante que haja alternância de poder. "A síntese do que decidimos é que a mudança significa hoje o voto em Aécio, nulo ou branco. Essas seriam as três posições que a Rede considera adequadas."

+ Rede descarta apoiar Dilma Rousseff no segundo turno

Orientação

Feldman reforçou que a Rede quer destacar pontos programáticos para orientarem o posicionamento dos eleitores nesta segunda fase da campanha. Citou como exemplos, além da reforma política e do desenvolvimento sustentável, a reforma agrária e a demarcação das terras indígenas.

O grupo vinha demonstrando resistência a endossar o nome do tucano, mas cedeu aos apelos da ex-ministra. Segundo Feldman, muitos integrantes da Rede se mostraram desconfortáveis com a opção de apoiar Aécio e, por isso, optou-se por indicar também a opção de anular o voto. "Nós admitimos a existência daqueles que não querem votar na polarização", disse Feldman.

A ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça Eliana Calmon, que concorreu ao Senado na Bahia pelo PSB e é integrante da Rede, explicou que o grupo não vai assumir o programa do candidato tucano e que há muitos integrantes da Rede que não farão campanha a Aécio. Eliana, porém, fez questão de destacar que tem um posicionamento pessoal mais "pragmático". "Se ele for a Bahia, eu subo no palanque", afirmou.

+ Confira as últimas notícias

Apesar de Marina ainda não ter declarado publicamente o apoio a Aécio, Feldman disse que a candidata derrotada deve ter uma participação ativa no segundo turno. "Ela vai acompanhar ativamente, mas não terá o dinamismo e a profundidade que tem uma candidata." Feldman, contudo, afirmou que é a própria Marina quem vai detalhar como será essa participação. (As informações são do jornal O Estado de S. Paulo).

Fonte: VEJA SÃO PAULO