Consumo

Oito marcas de azeite são reprovadas em teste de qualidade

Quatro delas estavam adulteradas e outras não podem ser consideradas extravirgens

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

azeite-1
Teste do azeite: de vinte marcas, quatro foram reprovadas (Foto: Reprodução)

Quatro marcas de azeite estão adicionando outros óleos vegetais em sua composição e sete se dizem extravirgem, apesar de não serem. Essa é a conclusão do estudo da Proteste que analizou vinte marcas do produto que estão à venda no país.

+ Quem é Leo Young, o vencedor de MasterChef

Entre os produtos que não podem ser considerados azeite estão Pramesa, Figueira da Foz, Tradição e Quinta d’Aldeia. Eles foram eliminados do teste após análise em laboratório ter comprovado adulteração. Isso significa que ao azeite, proveniente da azeitona, foram adcionados outros óleos vegetais, o que é proibido. Foi pedida a retirada desses azeites do mercado.

azeite reprovados
Quatro azeites acrescentam outros óleos vegetais na composição (Foto: Reprodução)

Sete marcas que se dizem extravirgem não podem ser classificadas como tal. São elas Qualitá, Beirão, Carrefour Discount, Filippo Berio, Figueira da Foz, Tradição e Quinta d'Aldeia, sendo que as quatro primeiras foram consideradas virgens e as outras três apresentam acidez intensa e, por isso, não deveriam ser consumidas diretamente em casa.

+ Eataly deve abrir filial na Avenida Paulista em 2017

O teste ainda mostrou a melhoria em cinco azeites. Na avaliação anterior, eles haviam sido classificados como virgens e agora, são extravirgens. São elas La Española, Carbonell, Serrata, Gallo e Borges.

azeite aprovado
Sete marcas se dizem extravirgem, mas são classificadas apenas como virgem (Foto: Reprodução)

De acordo com a Proteste, o melhor azeite é o Cocineiro, cujos pontos negativos são a falta de informação no rótulo e  ter a embalagem feita de plástico.

Fonte: VEJA SÃO PAULO