Gente

Mara Gabrilli caminha e canta em vídeo

Deputada tetraplégica publicou vídeo no Facebook no qual utiliza um aparelho que a faz "andar", ao som do refrão  "Ela não anda, ela desfila..."

Por: Veja São Paulo

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Teatraplégica há vinte anos, a deputada federal Mara Gabrilli surpreendeu no Facebook ao postar um vídeo no qual parece caminhar, com ajuda de um aparelho chamado Lokomat, ao som do funk Ela é Top (dos versos "Ela Não Anda, Ela Desfila..."). Candidata pelo PSDB à reeleição, ela confirma que a motivação foi política. "O Ministério da Saúde não compra esses equipamentos. Tenho acesso a eles desde 2004 e sei da importância".

+ Famosos que abriram o voto para presidente nas redes sociais

O post teve mais de 1 500 curtidas e alguns comentários emocionados. Abaixo, a conversa com ela.

Como surgiu a ideia de fazer o vídeo?

Fiz o vídeo na última segunda-feira (1º), mas já tinha feito antes. Conheci a tecnologia nos Estados Unidos em 2004. Quando chegou ao Brasil nos últimos anos eu comecei a utilizar aqui em São Paulo.

Na sua opinião, quais são os benefícios?

Tenho 46 anos, há vinte sou tetraplégica e não tenho osteoporose. Além da parte óssea, o Lokomat ajuda na parte muscular, conexões nervosas, circulação, amplitude dos movimentos e, claro, com a autoestima. Luto para conseguir espalhar esses aparelhos por todo o Brasil. Convencer os deputados dos benefícios é fácil, basta eu apresentar o meu exemplo.  Entretanto, o Ministério da Saúde não paga a aquisição das máquinas, alegando que não tem evidência científica suficiente no Brasil.

+ “Fico triste quando me ridicularizam”, diz Levy Fidelix

Em 2000, você fez um ensaio sensual para a revista Trip. No ano passado, lançou um livro de memórias, falando até mesmo sobre sexo. Tenta mostrar que pode quebra barreiras?

Não faço isso para aparecer ou pensando em dar exemplo. É tudo muito natural. Não existe nada melhor do que demonstrar a verdade. E isso motiva pessoas com ou sem deficiência. Não escondo que tenho desejos, que dá para fazer as coisas. Eu sei o que me faz feliz. 

+ Eduardo Jorge: “Não fumo maconha, mas defendo a legalização”

+ Confira as últimas notícias da cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO