Criminalidade

Mãe suspeita de matar as filhas tem passagem pela polícia

Mary Vieira Knorr, de 53 anos, é acusada de maus-tratos, estelionato e apropriação indébita

Por: VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

Paola Victorazzo
Jovem tinha 13 anos (Foto: Reprodução/Facebook)

A mãe das adolescentes Paola e Giovanna Knorr Victorazzo, de 13 e 14 anos, encontradas mortas dentro de casa no último sábado, responde a quatro processos, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP). Mary Vieira Knorr, de 53 anos, é a principal suspeita de ter cometido o crime na Rua Doutor Romeu Ferro, no Butantã. Ela está sob custódia no Hospital Universitário na USP e vai passar por exames psiquiátricos. 

Adolescentes são encontradas mortas dentro de casa

De acordo com a polícia, são dois processos por estelionato, um por apropriação indébita e outro por maus-tratos, mas não contra familiares. A polícia ainda procura pela vítima que fez a denúncia de maus tratos, em 2002. Os outros crimes também foram registrados no mesmo ano.

Do primeiro casamento, Mary tem dois filhos: a pesquisadora Eliane Knorr de Carvalho, de 31 anos, e o bancário Leon Gustavo Knorr de Carvalho, de 27 anos. Eles não moram com a mãe. 

A filha mais velha de Mary, Eliane, foi visitar a mãe no hospital nesta segunda-feira e prestou depoimento à polícia ainda no sábado, quando o crime foi descoberto. Foram Eliane e Leon que suspeitaram que havia alguma coisa errada na tarde de sábado. Eles ligavam insistentemente para a mãe, sem resposta. Resolveram ir até a casa de Mary e, com ajuda de vizinhos, arrombaram o portão e entraram. Por causa do cheiro forte de gás, chamaram os bombeiros. Os vizinhos acionaram a polícia. 

Já dentro da casa, os filhos e os bombeiros encontraram Mary falando frases desconexas. Ela teria dito duas vezes que matou as meninas, e mesmo assim perguntava pelas filhas. Leon foi até o primeiro andar e encontrou os corpos de Paola e Giovanna.

Segundo a polícia, o filho estava muito abalado para prestar depoimento. Já Eliane disse à delegada de plantão que a mãe tinha comportamento normal e era bastante rígida e zelosa com as garotas. Paola e Giovanna tinham em casa um quadro com uma lista de tarefas como tirar o lixo, arrumar o quarto e estudar. A filha mais velha disse não saber se a mãe tomava remédios fortes, mas Mary tinha sinais de intoxicação por medicamentos quando foi levada para o hospital. 

O segundo marido de Mary, de quem ela já era divorciada, é Marco Antônio Victorazzo, de 59 anos, dono de um bar em Cotia, na Grande São Paulo. Pai das meninas, esteve nesta segunda (16) no Instituto Médico-Legal (IML) para reconhecer o corpo das filhas e está em estado de choque. 

A perícia ainda vai determinar a causa da morte das irmãs, mas policiais que atenderam a ocorrência afirma que as duas tinham sinais de estrangulamento e asfixia. Uma delas foi encontrada com um travesseiro sobre a cabeça. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO