manifestação

Em ato, pais defendem inocência de funcionário acusado de estupro

Profissional da colégio Mackenzie, de Tamboré, foi demitido e está preso com base em depoimento de três alunos

Por: Nataly Costa - Atualizado em

Protesto Mackenzie Pedofilia
Protesto em frente ao colégio Mackenzie Tamboré (Foto: Fabio Braga / Folhapress)

Cerca de dez mães e pais de alunos do Colégio Presbiteriano Mackenzie, em Tamboré, fizeram na tarde desta segunda-feira (24) um ato para defender a inocência de um funcionário acusado de estupro.

As faixas estampavam expressões como "Justiça Já!" e "Queremos provas!".

Antônio, de 44 anos, está preso desde o mês de maio com base em relatos de três crianças de 3 anos, que disseram, segundo os acusadores, ter sido tocadas por ele.

Como não há prova em vídeo, em exame sexológico ou testemunhas, muitas das famílias defendem que a acusação é injusta. Ressaltam que o homem trabalhava ali havia anos e sempre manteve boa reputação. Acreditam em um mal entendido: as crianças se assustaram depois que ele interpretou um "menino malvado" em uma peça teatral, na época da Páscoa.

"O lugar com mais câmeras em Barueri é o Mackenzie. Se acham que ele é culpado, por que não mostram as imagens?", argumentava no ato o empresário Flavio Fujimoto, pai de um aluno de 9 anos.

A defesa do funcionário, que tinha como atribuição auxiliar os professores em aulas e atividades recreativas, afirma que ele é inocente. Em entrevista para o Fantástico, da TV Globo, ele relatou susto ao ser preso: "Meu mundo desabou naquele instante. Eu olhei aquela algema na minha mão: 'O que está acontecendo? O que é isso aqui?'.  Não tive explicação nenhuma”"

A escola, que demitiu Antônio após as acusações, não se pronunciou.

+ ÚLTIMAS NOTÍCIAS: o que acontece de mais importante na cidade

+ A história da ex-modelo que perdeu tudo para o crack 

Fonte: VEJA SÃO PAULO