Cinema

"Luz nas Trevas" é sequência retrô de clássico brasileiro dos anos 60

Ney Matogrosso interpreta o Bandido da Luz Vermelha em filme dirigido pela viúva de Rogério Sganzerla

Por: Miguel Barbieri Jr.

Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha - 2269
Djin Sganzerla e André Guerreiro Lopes: dupla em "Luz nas Trevas" (Foto: Gabriel lé Chiarastelli)

O cineasta Rogério Sganzerla morreu em 2004, aos 57 anos, e deixou uma filmografia cujo expoente é “O Bandido da Luz Vermelha” (1968). Cult do cinema udigrudi (apelido nacional para underground, dado por Glauber Rocha), a fita ganhou uma espécie de continuação com roteiro legado por seu realizador. Helena Ignez, viúva de Sganzerla, dirige “Luz nas Trevas — A Volta do Bandido da Luz Vermelha”, auxiliada por Ícaro Martins (de “O Olho Mágico do Amor”).

A brincadeira tem a alma irônica de seu criador e, para entrar no espírito da coisa, precisa ser encarada como um policial malicioso e kitsch. Embora simples, a trama possui diálogos empolados e pouco naturais, em mais uma referência aos filmes brasileiros antigos. Nesta sequência pop retrô, com imagens e sons recuperados do original, o cantor Ney Matogrosso interpreta Luz Vermelha. Preso há mais de trinta anos, o criminoso reencontra o filho que teve com uma amante (Sandra Corveloni). Jorge (André Guerreiro Lopes, na foto com Djin Sganzerla, filha de Rogério) descobre o passado do pai e também vira ladrão para torrar a grana em farras — mesmo objetivo do bandido da década de 60.

+  3 perguntas para... Ney Matogrosso

Além da bela fotografia em tons de verde e vermelho de José Roberto Eliezer (“O Cheiro do Ralo”) e das pinçadas locações paulistanas, a produção escalou, para rápidas participações, uma eclética seleção de personalidades símbolo da cidade: Arrigo Barnabé, Bruna Lombardi, Mário Bortolotto, Sérgio Mamberti, José Mojica Marins, Thunderbird e Phedra D. Córdoba, entre outros.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO