MEMÓRIA

Morre Luiz Carlos Miele aos 77 anos

Produtor foi encontrado morto em sua casa, na Zona Sul do Rio de Janeiro

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

miele
Luiz Carlos Miele participou em 2014 (Foto: TV Globo)

O produtor musical, ator e diretor Luiz Carlos Miele, de 77 anos, foi encontrado morto em sua casa na Gávea, Zona Sul do Rio, na manhã desta quarta-feira (14). De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, Miele foi vítima de mal súbito. Ainda não há informações sobre o sepultamento.

+ Confiras últimas notícias da cidade

Miele foi ator de rádio, televisão e cinema, produtor e diretor musical, humorista, locutor, contrarregra, dublador, crooner, compositor, apresentador, escritor, mestre de cerimônias, garoto-propaganda e empresário da noite.

O produtor começou sua carreira como locutor das rádios Excelsior, Tupi e Nacional. Nascido em São Paulo, em 1959, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde conheceu o compositor Ronaldo Bôscoli, com quem formou a dupla Miele & Bôscoli, responsável pela direção e produção de diversos espetáculos, e programas de televisão.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Na TV, dirigiu e produziu os musicais Noite de Gala e Cara & Coroa, Se meu apartamento falasse O Fino da Bossa, Fantástico (direção musical). Apresentou ainda o programa Coquetel, exibido pelo SBT na década de 1980.

Nos anos 2000, ele retomou a carreira na televisão como ator da série Mandrake, exibida pela HBO. Na Rede Globo, em 2008, participou de Casos & Acasos e Tapas e Beijos e do quadro Dança dos Famosos em 2014. No mesmo ano, Miele fez sua última aparição na TV, quando interpretou um vizinho garanhão no sitcom Trair e Coçar É Só Começar, do Multishow.

Várias personalidades da televisão lamentaram a morte do produtor na internet. "Vai com ele o humor mais refinado deste mundo", escreveu o apresentador Amaury Jr. no Twitter. Na mesma rede social, José Luiz Datena também prestou suas homenagens à memória do artista, "Miele é uma dessas pessoas que jamais esqueceremos.", disse. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO