Gente

Luisa Mell elogia Israel e irrita seguidores na internet

"Hoje o mundo entendeu como é difícil lutar contra terroristas, coisa que israelenses convivem desde sempre", escreveu a apresentadora e ativista

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Capa 2268 - Guardiões dos Bichos - Luisa Mell
Luisa Mell: a apresentadora combate casos de maus-tratos aos pets (Foto: Mario Rodrigues)

A apresentadora Luisa Mell, conhecida por ser ativista na causa da proteção animal, fez um post polêmico em sua página no Facebook na manhã desta sexta (27). Nascida em família judia, ela publicou uma homenagem a Israel junto de uma foto em que aparece com uma pulseira que faz parte da campanha #eumeamarroemisrael - seu cachorro também usa o acessório.

+ Chiquinho Scarpa promove "família vende tudo" em sua mansão

"Israel é uma democracia parlamentar, enquanto a grande maioria dos países vizinhos vive sob regime autoritário que ignoram direitos humanos básicos, isso sem falar nas gritantes diferenças quanto às liberdades femininas", escreveu na legenda que recebeu mais de 15 000 curtidas. "18% da população [israelense] é vegetariana e 8% já é vegana por compaixão aos animais", comentou.

Israel - Luisa Mell
Legenda polêmica: Luisa Mell recebe críticas ao falar de Israel (Foto: Reprodução/Facebook)

Sobre a Palestina, Luisa defendeu que a guerra na região não é contra os palestinos, mas, sim, para derrubar o Hamas, "grupo terrorista que não quer paz, quer a destruição". Alguns de seus seguidores, porém, não gostaram de seu posicionamento. "Você é muito interessante ajudando animais. Quanto à política, um pouco de história faria bem aos seus neurônios", disse uma das usuárias.

+ Iniciativa espalha 2 500 flores para celebrar o Natal

A VEJA SÃO PAULO, a defensora dos bichos, que resolveu falar sobre o assunto por causa dos ataques do grupo terrorista Estado Islâmico na Europa e na África, afirmou encarar com naturalidade a repercussão.

"Em qualquer post que você se posiciona haverá pensamentos contrários", declarou. "O único problema é que algumas pessoas começam a ser agressivas e eu não quero que isso também vire uma guerra."

Fonte: VEJA SÃO PAULO