TRANSPORTE

Qual é o lugar mais sujo dentro de um avião? Uma pesquisa responde

Análise realizada por um site de viagens teve como base 26 amostras de cinco aeroportos e quatro aeronaves

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

aviao-mesa-sujeira
A mesa de apoio das poltronas tem mais sujeira que um vaso sanitário domiciliar (Foto: FreeImages)

Aeroportos e aviões chegam a ter mais germes do que uma residência. A conclusão é do Travelmath.com, um site estrangeiro que calcula tempo de viagens entre cidades pelo mundo. Para estudar o assunto, um microbiologista recolheu um total de 26 amostras de cinco aeroportos e quatro aeronaves. O ponto encontrado com o maior nível de sujeira foi a mesinha das poltronas das aeronaves, aquela usada para apoiar alimentos e bebidas.

Os índices do local foram mais de dez vezes superiores aos encontrados em vasos sanitários de residências. Ali, havia 2 155 unidades de formação de colônias UFC) - medida de microbiologia que indica o potencial reprodutor de bactérias e fungos - por polegada quadrada. Nos assento do banheiro, esse índice é de 172.

+ Anac regula drones e piloto precisará de habilitação

De acordo com o estudo, a sujeira das mesas deve ser uma consequência da pressão para as empresas reduzirem cada vez mais o tempo de desembarque e embarque. Assim, a equipe teria tempo de higienizar as mesinhas apenas no final do dia, e não após cada viagem. “Como isso pode levar à transmissão direta de bactérias com a boca, é conveniente eliminar quaisquer contatos diretos que o alimento tenha com a mesa”, diz o site. Eles aconselham ainda o uso de higienizadores de mãos.

+ Grupo Águia, a ajuda que vem do céu

Confira a lista dos locais mais sujos de um aeroporto e da aeronave:

AERONAVE

Mesa de apoio - 2 155

Saída de ar-condicionado regulável (localizado junto dos botões de iluminação) - 285

Descarga do vaso sanitário - 265

Fivela do cinto de segurança - 230

+ Confira as últimas notícias da cidade

AEROPORTO

Botão do bebedouro de água - 1 240

 

Fechadura da porta do banheiro individual - 70 

Fonte: VEJA SÃO PAULO