Saúde

Lote de vacina contra H1N1 dura uma hora em clínicas de São Paulo

Lista de espera ganhou 770 nomes em dois dias em uma unidade no Brooklin

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Vacina
Com o surto antecipado do vírus, clínicas na capital não estão dando conta da demanda pela imunização (Foto: Divulgação)

Foram necessários apenas sessenta minutos para que um lote de 150 vacinas contra a gripe se esgotasse em uma clínica do Ibirapuera, na Zona Sul paulistana, na quarta-feira (30). Em uma unidade dos Jardins, também na Zona Sul, a remessa com centenas de doses acabou em duas horas. Com o surto antecipado do vírus H1N1 no Estado de São Paulo, clínicas de vacinação da capital não estão dando conta da demanda pela imunização. O produto está em falta em dezenas de estabelecimentos e alguns deles já fazem lista de espera de interessados no produto. Em uma unidade no Brooklin, Zona Sul, a lista ganhou 770 nomes em dois dias.

 + Há risco de uma nova epidemia de H1N1?

"Ligamos para uma clínica para saber se um novo lote havia chegado e eles disseram que sim. Quando fomos no dia seguinte nos vacinar, já tinha acabado. E tínhamos procurado a vacina em outros dois lugares", comentou a administradora de empresas Cibeli Passarinho de Assis, de 45 anos, que faz tratamento para engravidar e busca proteção contra o vírus.

"A gente ficou com medo. Dizem que essa gripe pode matar em três dias", afirma ela, que buscou a imunização com o marido. Após procurar, sem sucesso, três clínicas em busca da vacina, o casal encontrou o produto disponível em um estabelecimento da Bela Vista, na região central da capital, mas pelo dobro do preço dos outros estabelecimentos. "Desistimos de tomar. Nos outros locais, a vacina quadrivalente estava 120 reais e, aqui, custa 230 reais", diz.

Mesmo sem fazer parte de nenhum grupo de risco para a doença, o administrador Peter Walsh, de 52 anos, também tentou vacinar-se ontem em uma clínica dos Jardins, mas não encontrou o produto. "Todo ano me vacino e nunca vi esse caos. Só que agora a gente está mais preocupado. Tenho uma amiga de 38 anos que morreu dessa doença", diz ele.

+ Xô gripe: um cardápio que reforça a imunidade contra a H1N1

Congestionadas

A reportagem entrou em contato com 21 clínicas de vacinação em São Paulo na quarta (30). A maioria estava com os telefones ocupados por pelo menos quatro horas durante a tarde. Só cinco atenderam.

O único com vacinas disponíveis foi um estabelecimento no Brooklin. Os atendentes relataram que as filas estão grandes desde o início da manhã até o fim da tarde. Anteontem, o estoque acabou e a clínica passou a colocar os pacientes na lista de espera, que chegou a 770 nomes. No fim do dia, uma remessa com 1 000 doses foi entregue. A expectativa é de que o novo lote se esgote hoje.

Uma clínica no Jabaquara, na Zona Sul, informou que a vacina acabou, mas que uma nova remessa deverá chegar na próxima quarta (6). Foi relatado que as filas estão se acumulando e a quantidade de pessoas na lista é tão grande que a inclusão de novos nomes foi suspensa.

Na Mooca, na Zona Leste, uma clínica relatou que não há mais vacina disponível e receberá o próximo lote apenas no dia 11 de abril. Quando o estoque esgotou, cerca de cem pessoas já foram incluídas em uma lista de espera.

No Morumbi, na Zona Sul, uma clínica informou que a vacina está esgotada. Mas é possível que uma remessa chegue na próxima semana. A clínica estava marcando horário para a vacinação, mas a entrega dos lotes começou a atrasar e os agendamentos foram suspensos.

+ Surto de gripe H1N1 esgota vacinas em clínicas particulares

+ Polícia Federal deflagra 27ª fase da operação Lava-Jato

+ 'Não vou deixar que um maluco impeça meu trabalho' diz juíza

Fonte: VEJA SÃO PAULO