Gastronomia

Lojas e empórios para comprar as bebidas das festas de fim de ano

Nesta época do ano, o número de garrafas nacionais e importadas se multiplica nas prateleiras da cidade. Saiba onde encontrar boas opções

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Réveillon - brinde - Fim de ano
Champanhe: símbolo de prestígio reconhecido no mundo todo (Foto: Fernando Moraes)

Símbolo de prestígio reconhecido no mundo todo, o champanhe, ainda que vendido o ano todo, continua um ícone do Natal e do réveillon. Não só champanhe, como o prosecco na Itália e o cava na Espanha. Confira abaixo boas lojas para comprar diferentes rótulos da bebida:

Adega Alentejana: especializada em produtos portugueses, representa importantes nomes da vitivinicultura da terrinha. Vale conhecer o showroom, num charmoso imóvel de fachada branca, que imita o estilo das casas do Alentejo. Entre os mais de 150 rótulos estão o das vinícolas Paulo Laureano, Cortes de Cima (Chaminé 2011) e Fundação Eugénio de Almeida, que faz o Foral de Évora 2008 e o Cartuxa Colheita Tinto 2009. A casa traz ainda ao país o espumante Vértice Millésime Super Reserva Bruto 2007 e os vinhos do Porto da Burmester, casa fundada em 1890. Entre eles, o Tawny e o L.B.V. 2006. Importa também azeites, cervejas, conservas e louças.

Casa Santa Luzia: templo gourmet da cidade, com 86 anos de história, o supermercado fino mantém, além de uma grande oferta de produtos importados, uma bem montada adega. Entre as indicações do sommelier responsável, Marcelo Lopes Marcelino, estão os tintos Luccarelli Primitivo di Manduria Pazzia D.O.C., da região italiana da Puglia, e Quinta da Romaneira 2007, português do Douro. Entre os espumantes, destaca-se o nacional Habitat Brut 2009, da Quinta Don Bonifácio.

Empório Net Drinks: nos dois endereços da delicatessen podem ser encontrados cerca de 600 rótulos de brancos, tintos, rosés, espumantes e fortificados. Entre as garrafas argentinas está o Trumpeter Cabernet Sauvignon 2008, do produtor Rutini. Representam Portugal o Carm 2008 e o Quinta do Vallado 2009, tintos da região do Douro de boa relação preço-qualidade. Há uma seção de produtos feitos de acordo com os princípios kosher, onde é possível encontrar o tinto Yarden Mount Hermon 2009, produzido em Israel.

Empório Santa Maria: gerido pelo grupo St Marche, o complexo possui três espaços dedicados aos vinhos. No setor multimarcas, exibe opções tão variadas como o chileno Errazuriz Reserva Pinot Noir 2009 e o champanhe safrado Dom Pérignon Oenothèque 1996. Há ainda lá dentro uma loja da Expand e, no piso superior, a Vinoteca & Sushi, sua grande atração. Ali, 48 rótulos ficam armazenados em máquinas climatizadoras e podem ser degustados em doses de 30, 60 e 120 mililitros.

Expand: fundada em 1978, a importadora dirigida por Otávio Piva de Albuquerque estampa em seu catálogo alguns pesos pesados do segmento, como o champanhe Taittinger (Brut Reserve) e o reputado chileno tinto Seña 2007, que obteve 96 pontos do crítico americano Robert Parker. As sugestões para bolsos mais comedidos — que já foram mais variadas — incluem o italiano Casanova di Neri Rosso di Montalcino D.O.C. 2009 e o português Churchill’s Estates 2008, tinto produzido na região do Douro. Entre os brancos, a casa representa o chileno Morandé Gran Reserva Chardonnay 2008.

Grand Cru: de origem argentina, a importadora desembarcou no Brasil dez anos atrás. Atualmente, mantém duas bonitas lojas paulistanas, uma nos Jardins e outra em Moema. Seu portfólio da região francesa de Bordeaux é o maior do país, com cerca de 300 rótulos - que vão do Château La Motte 2009 ao excepcional Château Angélus Premier Grand Cru Classé 2009, destacado com 99 pontos pelo crítico americano Robert Parker. Da divisão de espumantes, uma novidade é o Gold Brut, da Bottega, que vem numa garrafa dourada.

Hedoniste: criada pelo paulistano Marcelo Yabiku, é especializada em champanhes de pequenos produtores - que foram visitados pessoalmente por ele. Dos treze rótulos do catálogo, dez são grand cru (apenas dezessete das 319 vilas da região francesa de Champagne têm essa denominação, ou seja, cerca de 5% delas). Entre as garrafas disponíveis, confira o Franck Bonville Brut Sélection, um blanc de blancs feito 100% de chardonnay. Duas boas escolhas do produtor Michel Arnould recaem sobre o Extra Brut Pinot Noir e o Carte D'Or Millésime 2004, este produzido apenas em safras excepcionais.

Mistral: sob as asas da importadora de Ciro Lilla está um formidável portfólio de 2.000 rótulos, muitos deles de conhecidas grifes da vitivinicultura mundial. Alguns tesouros trazidos pela empresa são o italiano Angelo Gaja Barbaresco 2007 e o espanhol Vega Sicilia Unico Reserva Especial 2009. Uma novidade interessante é o crémant Parigot Blanc de Blancs Brut, agradável espumante feito das cepas chardonnay e aligoté por um pequeno produtor da Borgonha. Os preços têm o inconveniente de ser tabelados em dólar, impossibilitando ao cliente saber quanto vai pagar exatamente.

Rei dos Whisky's & Vinhos: com matriz na Avenida Sabiá, em Moema, tem quatro filiais. Seu portfólio inclui 4 000 rótulos. Entre os mais vendidos estão o espumante italiano Prosecco Valdo Treviso e o tinto português Crasto Douro 2009. Para quem prefere vinhos da América do Sul, duas dicas: o branco Crios de Susana Balbo 2011, feito na Argentina com uva torrontés, e o tinto chileno Missiones de Rengo Carmenère 2009.

Specialità Bebidas: é preciso tocar a campainha para entrar na residência, que abriga um showroom da Casa Valduga. Uma estante perfila toda a linha da vinícola gaúcha. Atente aos espumantes feitos pelo método champenoise (o mesmo da região francesa de Champagne). Entre eles, o Reserva Brut 2010. Por meio do braço importador Domno Brasil, a empresa traz ao país rótulos como a linha argentina Tomero (Cabernet Sauvignon 2010).

Fonte: VEJA SÃO PAULO