Televisão

Ex-modelo Loemy reaparece com novo visual

História de jovem, que frequentava a Cracolândia, foi revelada por VEJA SÃO PAULO

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

loemy 1
Loemy Marques morou por dois anos na Cracolândia (Foto: Edu Moraes/Rede Record)

A ex-modelo Loemy Marques, de 26 anos, que está em tratamento contra o vício em crack há 1 ano e cinco meses, aparecerá completamente transformada no programa de Rodrigo Faro, na Record, neste domingo (1º).

+ Em recuperação contra as drogas, Loemy faz academia e volta a trabalhar

Em janeiro, VEJA SÃO PAULO já havia mostrado a recuperação da jovem, que voltou a trabalhar e a frequentar academia. Dias depois de ter sua história revelada pela Vejinha, em novembro de 2014, a ex-modelo recebeu uma oferta do programa Hora do Faro receber tratamento contra a dependência química.

+ Ex-modelo Loemy Marques luta contra o crack

A Record custeou o tratamento da jovem em clínicas de reabilitação e moradias assistidas e fará o encerramento do caso dela no palco. Ela recebeu tratamento estético e visual completo: dentes, pele, cabelo e figurino.

Durante o programa, ela ainda ganhará um curso profissionalizante de estética e receberá a visita da mãe Elizabeth e da irmã Noemi, que moram em Mato Grosso.

Nascida no interior de Mato Grosso, Loemy veio para São Paulo para tentar a carreira de modelo. Desembarcou em janeiro de 2012 com 3 000 reais dados pela mãe e foi dividir um apartamento no Itaim com outras modelos. Nessa época, fez o primeiro book profissional (algumas dessas fotos podem ser vistas na galeria acima). Encaminhada às principais agências de manequins da capital, não vingou em nenhuma.

Loemy
Loemy em novembro de 2014, na Cracolândia (Foto: Mario Rodrigues)

Em agosto de 2012, começou a morar de favor no Bom Retiro, em um apartamento de um amigo. Tem na memória o dia e o horário exatos em que fumou a primeira pedra de crack: 15 de setembro, às 4 da manhã. 

Viciou-se em crack e acabou indo parar na Cracolândia. Consumia cinco pedras por dia, em média. Para custear o vício, chegou a se prostituir.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO