Shows

Lionel Richie, autor de 'Say You, Say Me', faz sua estreia no Brasil

Compositor de grandes baladas dos anos 70 e 80 promete fazer show extenso no Ginásio do Ibirapuera

Por: Pedro Ivo Dubra - Atualizado em

Lionel Richie 2179
O cantor e compositor americano: desde 1968 embalando casais (Foto: Divulgação)

Aos 61 anos, Lionel Richie nunca esteve no país. Mas muitos brasileiros nascidos sobretudo nas décadas de 70 e 80 devem algo ao cantor e compositor americano. Afinal, quantos casais não se formaram e tiveram filhos ao som de Say You, Say Me (vencedora do Oscar de 1985), Hello e Easy, entre outras baladas? Dinossauro do gênero — a música romântico-melosa viu surgir e desaparecer diversas gerações de estrelas desde que Richie iniciou sua carreira —, esse vendedor de mais de 100 milhões de discos se apresenta no Ginásio do Ibirapuera no sábado (28), com ingressos que vão de 250 a 650 reais.

Richie começou atuando em diferentes grupos de R&B até integrar, em 1968, também como saxofonista, a banda de soul The Commodores. O conjunto, do qual saiu em 1983, chegou a se exibir aqui no ano passado, mas obviamente a ausência do membro mais famoso fez toda a diferença. Em 1985, três anos depois do primeiro álbum-solo, ele emplacou um grande êxito: We Are the World, composto em parceria com Michael Jackson para ajudar populações famintas da África. Protagonizado por cantores como Cyndi Lauper, Bob Dylan e Tina Turner, o videoclipe virou um ícone na época (a canção foi recentemente recuperada e interpretada por Justin Bieber, Akon e Fergie, entre outros, para socorrer as vítimas do terremoto do Haiti). Nos últimos tempos, o astro passou a ser visto como o “pai da Nicole”. Entre 2003 e 2007, sua filha adotiva Nicole Richie fez sucesso no reality show The Simple Life na companhia da patricinha encrenqueira Paris Hilton. Em declarações recentes, Lionel Richie prometeu um show extenso, daqueles para tirar a “barriga da miséria” depois de tão prolongada ausência, incluindo pedidas do baú do Commodores. Cinco músicos o acompanham no palco.

Fonte: VEJA SÃO PAULO