Sistema Hidroviário

Haddad sanciona lei para transportar paulistanos em barcos

De acordo com o projeto, represas e rios serão interligados com as estações de ônibus e da CPTM

Por: Juliana Deodoro - Atualizado em

Represa de Guarapiranga
Estações seriam criadas nas represas Billings e Guarapiranga (foto) (Foto: Divulgação)

O prefeito Fernando Haddad sancionou o projeto de lei que cria o Sistema de Transporte Hidroviário da capital. A decisão foi publicada nesta terça-feira (10) no Diário Oficial. A proposta estabelece rotas em rios e nas represas Billings e Guarapiranga, na Zona Sul, que seriam interligadas a estações de ônibus e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O percurso seria feito em embarcações anfíbias, que se deslocam tanto na água quanto no solo.

+ Vídeo mostra queda de viga na obra do monotrilho

Apesar da iniciativa de Haddad, a prefeitura ainda não divulgou se existe prazo ou verba para a implantação do projeto.

Na Billings, a intenção é criar de três a quatro hidrolinhas interligadas ao Rio Pinheiros e às estações da CPTM já existentes, como Jurubatuba, Socorro e Santo Amaro. Cada embarcação transportaria entre 100 e 200 passageiros.

"O paulistano não está acostumado com o transporte hidroviário, mas no mundo todo se usa os três modos: por pneus, trilhos e águas. As viagens serão menos demoradas", diz o autor da proposta, o vereador Ricardo Nunes.

+ Metrô volta a funcionar normalmente após o fim da greve

Nunes afirma que fez o trajeto entre Grajaú e Socorro pela represa Billings em oito minutos no último fim de semana. Na proposta, no entanto, estima-se que o tempo médio seria de 20 a 30 minutos.

Essa não é a primeira vez que se discute a possibilidade de criar esse tipo de transporte na cidade, mas Ricardo Nunes garante que a lei sairá do papel. "O prefeito está apaixonado pelo projeto. Agora é para valer."

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO