Perfil

Larissa Manoela é a estrela teen do momento

Aos 15 anos, ela está no ar com duas novelas, fatura 3,6 milhões de reais por ano, virou best-seller e sonha em se casar virgem com um príncipe encantado

Por: Ana Carolina Soares

LARISSA MANOELA
Larrisa Manoela: faturamento anual de cerca de 3,6 milhões de reais aos 15 anos (Foto: Leo Martins)

A mesada de 300 reais é um valor razoável para uma garota de 15 anos. Com esse dinheiro, a atriz Larissa Manoela compra revistas teen, maquiagem e sapatos, de preferência com saltão, para “dar um up” em seu 1,50 metro de altura. O dinheiro que ela embolsa com o seu trabalho dá e sobra para esses gostos. Entre o salário no SBT (em torno de 25 000 reais), shows e licenciamento de produtos, a conta bancária da menina é irrigada por uma bolada de aproximadamente 300 000 reais por mês, segundo estimativas do mercado — ou 3,6 milhões de reais por ano.

A maior parte disso é investida em imóveis e aplicações, segundo os pais da garota, Gilberto Santos e Silvana Taques, que também são seus empresários (eles não confirmam o faturamento da estrela). A menina sabe quanto vale, mas não quer aumento. “Precisamos poupar, porque a gente não sabe o dia de amanhã”, afirma ela, em um discurso estudado, com vocabulário pobre em gírias e muito seguro para alguém tão novo.

LARISSA MANOELA
Larissa no camarim do SBT: gastos da mesada com maquiagem e salto alto (Foto: Leo Martins)

Larissa é o mais recente fenômeno entre os adolescentes, uma espécie de Sandy dos dias atuais. Nos anos 90, quando tinha a mesma idade, a filha de Xororó faturava em média 80 000 reais por show, fazia o papel de boa moça e também atuava em filmes e novelas. A teen do momento está entre as artistas mais bem pagas do país, com um cachê por show de até 200 000 reais, quase o dobro do que cobra a badalada cantora carioca Anitta.

+ Em vídeo: Larissa Manoela mostra o seu motorhome

E a mina de ouro continua em expansão. Em junho, lançou O Diário de Larissa Manoela, que já vendeu cerca de 100 000 cópias, marca superior à de autores populares como Paulo Coelho. Na quinta passada (1º), Larissa teve uma tarde de autógrafos na Bienal do Livro. Foram distribuídas 300 senhas, que se esgotaram em menos de dois dias. A garota já fez três peças, quatro filmes, quatro dublagens de animações, quatro séries, três novelas e quatro discos.

Atualmente, está no ar em duas produções do SBT: na reprise de Carrossel e em Cúmplices de um Resgate, há um ano no horário nobre (20h40). O enredo é bem rocambolesco: Isabela e Manuela, gêmeas separadas no nascimento, reencontram-se e combinam de trocar de lugar em algumas ocasiões. “Estudei na internet a Gloria Pires, em Mulheres de Areia, e o Mateus Solano, em Viver a Vida”, conta a atriz.

A trama conquistou crianças e adolescentes e vem bombando nas redes sociais. No YouTube, a novela está no ar há um ano e quatro meses e contabiliza mais de 1,2 bilhão de visualizações. Como estratégia em busca de cliques, o canal libera aos internautas todos os capítulos, além de bastidores, de graça. Ganha-se na publicidade. “Cúmplices é um dos produtos mais lucrativos da nossa história na internet, só fica abaixo do Show do Milhão”, comenta Rodrigo Marti, diretor de multiplataforma do SBT.

O licenciamento dos itens ligados ao programa virou outro hit. “Não houve crise aqui”, afirma Carolina Scheinberg, gerente de licenciamento internacional da emissora. Desde o início do ano, mais de 100 itens relacionados ao folhetim tomaram as prateleiras das lojas do país. Entre anunciantes, produtos e receitas da web, estima-se que o faturamento total chegue a 120 milhões de reais, 20% a mais do que Carrossel, de 2012.

Larissa Manoela
Com a banda da novela: 44 000 pessoas no Ginásio do Ibirapuera em 27 e 28 de agosto (Foto: Lourival Ribeiro/SBT)

Nessa novela, começou a popularidade de Larissa, ao interpretar Maria Joaquina, uma das protagonistas. No segundo mês no ar, ela começou a fazer shows. Cobrava em torno de 20 000 reais para cantar em presenças vips em lojas e logo começou a crescer. “Ela é talentosa e tem um carisma fora de série”, elogia Reynaldo Boury, diretor da novela. Na lista de qualidades, ele acrescenta o profissionalismo precoce: pontual, a garota não erra texto e chama atenção pelo detalhismo (pergunta sobre a posição de todas as câmeras, assiste às cenas dos colegas e questiona até o porquê de cada acessório usado em cena).

Ao andar nos corredores do SBT (normalmente de jeans skinny e salto alto), não faz o gênero “miss simpatia”. Fica na dela, entretida com o celular (cada dia com uma capinha diferente). A conversa só rola solta no camarim em que divide com os outros atores mirins de Cúmplices. Lá, o assunto gira em torno do último snapchat “irado” dos colegas ou do post de algum ídolo, como Justin Bieber ou sua ex, a cantora Selena Gomez.

+ Gafes de Maju e Renata Vasconcellos no JN dão o que falar nas redes

A americana, ex-atriz mirim, é a inspiração de Larissa para fazer a transição de garotinha a mulherão do showbizz. “Quando eu crescer, não me vejo rebelde como a Miley Cyrus, mas sensual, sem ser vulgar.” Larissa deixou de aparecer como criancinha por volta dos 13 anos. Aos poucos, os vestidos foram encurtando. Atualmente, só dispensa o salto alto durante as gravações e para ir à escola. As campanhas também migram para o mercado teen. “Mas barramos fotos muito sensuais e apelativas”, diz a mãe-empresária.

Larissa Manoela
“Manuela” em cena: inspiração em Gloria Pires (Foto: Artur Igrecias/SBT)

Larissa nasceu em uma família de classe média de Guarapuava, a 260 quilômetros de Curitiba. Aos 4, já ensaiava o discurso do Oscar, ainda hoje uma de suas brincadeiras preferidas (ao lado de “stop” e dos livros de princesa). Um olheiro a descobriu no supermercado e a menina decolou do interior do Paraná para conquistar o país. Filha única, seus pais largaram tudo para acompanhar sua carreira (Silvana trabalhava como pedagoga e Gilberto era corretor de imóveis).

Quando o negócio foi se tornando mais profissional, vieram para São Paulo, em 2006. Assim que chegou à cidade, a família se hospedou em um hostel no centro, perto da Cracolândia. “Jesus! Que medo dava”, lembra a menina. Seu primeiro papel de destaque veio em 2010, na minissérie Dalva & Herivelto, na Rede Globo. Interpretou a cantora na infância. Na sequência, filmou O Palhaço, de Selton Mello, que se tornou uma espécie de padrinho profissional. “Ele vê minhas cenas, me liga e dá conselhos bacanas, como manter a dedicação e não se deslumbrar com tudo isso.”

Ex-ator mirim, Mello até dançou valsa na festade 15 anos de sua pupila, em janeiro, na CasaPetra, em Moema. A balada da debutante custou aproximadamente 300 000 reais, com direito a brindes como miniaturas de sapatinhos de cristal e uma carruagem na decoração.

Boneca Larissa Manoela
Boneca da personagem (Foto: Divulgação)

A família dessa Cinderela moderna circula em dois carros importados blindados (uma Dodge Journey e uma Toyota Hilux). Os cuidados com a segurança acabaram sendo reforçados no fim do ano passado. Certa noite, Larissa e a mãe voltavam para casa após uma gravação no SBT quando foram perseguidas por um motoqueiro. Conseguiram despistá-lo. Hoje, preferem andar com um motorista-segurança.

O clã vive no município de Cotia, a 34 quilômetros da capital paulista. Larissa ocupa dois dos quatro quartos da casa. Um serve só para guardar as roupas e os presentes de fãs. Para dormir, há um “mundo cor-de-rosa” ao seu redor: cortinas de princesa em tons pink e fúcsia e uma grande prateleira branca (com uma televisão de plasma, perfumes, hidratantes, bichinhos de pelúcia, porta‑retratos e uma Bíblia). Em breve, deve se mudar com os pais para uma residência mais ampla na mesma região.

O atual namorado da garota é o ator e cantor João Guilherme Ávila, filho do sertanejo Leonardo e seu colega de elenco na novela. Junto há quase um ano, o casal é chamado de “Jolari” e tem até fã‑clube. Ela cursa o 2º ano do ensino médio em um colégio adventista. Tem aulas de manhã e grava a novela à tarde, seis horas por dia, de segunda a sábado. Além disso, faz em média dois shows por mês, sempre aos domingos.

Larissa Manoela e João Guilherme
Em cena com o namorado, João Guilherme Ávila: colegas de elenco (Foto: Lourival Ribeiro/SBT)

Durante a semana, acorda às 6 horas para ir à aula. Sua pior nota é um 8,5 em matemática. No recreio, algumas crianças, especialmente as mais novas, a abordam para pedir selfies, mas os monitores orientam os fãs a não incomodá‑la. “Atendo todos com prazer. Afinal, deve ser muito doido estudar com um ídolo”, diz Larissa. “Mas explico para eles que sou uma pessoa também e ali gosto de ser normal.”

Ela é uma das adolescentes brasileiras mais curtidas na internet, com um total de 8 milhões de seguidores no Instagram, Twitter e Facebook (seus fãs se autodenominam “larináticos”). E essa fama toda potencializa os dramas juvenis. Em julho, o casal “Jolari” teve um bate‑boca público com o primeiro namorado da garota, Thomaz Costa, colega de Carrossel, com quem ela ficou por quatro meses em 2013.

+ Mãe de adolescente detida nos EUA disse que filha passou fome e frio

A discussão começou porque Thomaz havia sido eliminado de um concurso de dança em um programa de TV pelo voto de João Guilherme. De raiva, o ex divulgou o telefone da estrela e da mãe dela no Snapchat. “No final, achei chique, porque houve uma polêmica parecida dias antes, envolvendo a Kim Kardashian, o Kanye West e a Taylor Swift”, conta Larissa.

A popularidade na rede tem um efeito colateral. No dia a dia, a menina precisa lidar frequentemente com difamações e até pornografia infantil. “De vez em quando, haters fazem montagens horrorosas e postam no meu Facebook.” Ela se choca, mas mantém o controle: respira fundo e avisa os pais, que, antes de deletar, tiram prints para denunciar ao Ministério Público.

No ano passado, a jornalista Fabíola Reipert noticiou no site R7 que a atriz estava grávida. A família de Larissa pede nos tribunais uma indenização de 200 000 reais por danos morais. O romance com João Guilherme não passa dos beijos e abraços, segundo a menina, que é católica fervorosa. “Deus ensina que a mulher precisa se resguardar, e desejo casar virgem”, afirma a estrela teen.

Namorados, fama e fortuna

Nome: Larissa Manoela Taques Elias Santos

Nascimento: 28/12/2000

Corpo: 1,50 metro e 48 quilos

Carreira: um livro, três novelas, três peças, quatro filmes, quatro dublagens de animações, quatro séries e quatro discos gravados. Neste ano, vai filmar uma versão para o cinema do livro Fala Sério, Mãe!, de Thalita Rebouças. Tem contrato no SBT até 2018

Personagens de sucesso: Maria Joaquina, de Carrossel, e as gêmeas Isabela e Manuela, de Cúmplices de um Resgate, ambas do SBT

Shows: quarenta neste segundo semestre (um deles na Disney)

Licenciamentos: 85 itens, de roupas a bonecas. Vai lançar sapatos e perfume da Jequiti   

Redes sociais: 5,7 milhões de seguidores no Instagram, 900 000 no Twitter e 1,4 milhão no Facebook. No Snapchat, seus posts batem 1 milhão de views

Faturamento mensal estimado: 300 000 reais (shows, salário e produtos)

Mesada: 300 reais

Amores: está no terceiro namorado, João Guilherme Àvila, filho do cantor Leonardo. Os dois se relacionam há onze meses

Sexo: Quer casar virgem. "É algo que Deus espera da gente"

Religião: católica, prepara-separa a cerimônia de crisma no fim deste ano, mas frequenta também cultos evangélicos

Manias: livros de princesas (ama Cinderela e Rapunzel) e sapatos de salto alto

  • Cartas da edição 2493

    Atualizado em: 2.Set.2016

  • Aberto ao público durante a Jornada do Patrimônio, construção passará por reforma
    Saiba mais
  • No local estão peças criadas por Victor Brecheret e capela projetada por Ramos de Azevedo
    Saiba mais
  • Walcyr Carrasco, Mauricio de Sousa e outras personalidades paulistanas também ocupam cadeiras
    Saiba mais
  • Após assistir a um filme, Eduardo de Godoy criou o Pernas de Aluguel, que hoje conta com 25 voluntários 
    Saiba mais
  • Instant Article

    Confira as novidades da semana do Terraço Paulistano

    Atualizado em: 1.Dez.2016

    Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos e empresários que são destaque na cidade
    Saiba mais
  • Há até instalação comestível na mostra, que reúne 330 obras de artistas e coletivos de 33 países
    Saiba mais
  • Avenida Paulista vira a campeã de ocorrências do tipo
    Saiba mais
  • Etternum é usada para postagens de fotos, vídeos e textos que lembram falecidos 
    Saiba mais
  • A Caedu, espécie de Forever 21 da Classe C, faturou 550 milhões de reais no ano passado 
    Saiba mais
  • Entre as atrações gastronômicas estão a pizzaria Napole Centrale e o bar Negroni
    Saiba mais
  • Uma seleção de objetos com neon

    Atualizado em: 2.Set.2016

    Moda nos anos 70, o tipo de iluminação volta a brilhar na decoração de casas paulistanas
    Saiba mais
  • Cozinha variada

    Max Abdo Bistrô

    Rua Peixoto Gomide, 1658, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3062 5557

    VejaSP
    1 avaliação

    Desde a inauguração, um saboroso detalhe do couvert (R$ 7,00) é difícil de esquecer: uma manteiga rosa, feita com morango. Ainda para abrir o apetite, vai bem o mix de cogumelos com geleia de pimenta (R$ 25,00). Trazido no ponto solicitado, o bife ancho alto vem acompanhado de escarola e palmito (R$ 61,00). Para um prato vegetariano, invista na berinjela à parmigiana com mussarela, parmesão e um toque inconfundível de ricota defumada (R$ 51,00).

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Italianos

    La Madonnina Ravioli

    Avenida Hélio Pelegrino, 204, Vila Nova Conceição

    2 avaliações
  • Cozinha variada

    Bistrô Charlô

    Rua Barão de Capanema, 454, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3087 4444

    VejaSP
    Sem avaliação

    Depois de quase quatro anos, não é mais Chico Farah quem toma conta da cozinha desta casa do banqueteiro Charlô Whately. Antigo subchef, o jovem Gabriel Erbella assumiu o fogão. Não há alterações no menu, que traz sugestões de entrada como o polvo ao vinagrete imerso em azeite com um toque picante de pimenta dedo-de-moça (R$ 45,00). A costelinha tailandesa ao curry de legumes (R$ 65,00) é servida macia, macia, mas vez ou outra completamente sem sal. Na sobremesa, continua a estrela o pudim de leite com ameixa na calda de armanhaque (R$ 24,00), criado anos atrás por Charlô.

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Bares variados

    Hoxton

    Rua Ibipetuba, 182, Parque Da Mooca

    Tel: (11) 99160 7524

    VejaSP
    1 avaliação

    Na tradicional Mooca, foi inaugurado em abril este endereço com cara de Baixo Augusta: salão grafitado, indie rock na trilha sonora e nome de batismo vindo de um bairro londrino. Comandam o negócio o curitibano André Chollet e o sul-coreano radicado no país Sung Jin Park. Para acompanhar drinques como o gangnam style (destilado soju, uvas itália e ruby e xarope de for de sabugueiro; R$ 20,00), invista no bolinho hoxton, de ricotas fresca e defumada picante e castanha-do-pará, acompanhado de geleia de damasco (R$ 36,00 a porção).

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Salgados

    Taquería La Sabrosa Cocina de México

    Rua Augusta, 1474, Cerqueira César

    Tel: (11) 2925 6189

    VejaSP
    5 avaliações

    Comer com as mãos faz parte da experiência nesta casa do mexicano Hugo Delgado, dono também do restaurante Obá. Como não há garçons, o cliente deve fazer o pedido direto no caixa e retirá-lo no balcão. A tostada de ceviche colimeño (R$ 15,50) é uma tortilla de trigo com guacamole, peixe branco marinado, cebola-roxa, cenoura, tomate, chile e azeitona. Também vão bem os totopos (triângulos crocantes de massa de milho) para mergulhar no molho pico de gallo (R$ 8,00). Durante a semana no almoço, são servidos combos que custam entre R$ 22,00 e R$ 28,00.

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais
  • Em duas apresentações no mesmo dia, o grupo Tiquequê mescla seu repertório autoral a canções emprestadas dos parceiros do Palavra Cantada para mostrar o show Gigantinho. Os músicos Angelo Mundy, Bel Tatit, Diana Tatit e Wem cantam, dançam, batucam e produzem sons com o próprio corpo para dar vida a faixas como Tô com Medo e Dente Mole, do álbum Era uma Vez um Gigante (2012). Além disso, haverá uma adaptação especial de Lorota Boa, de Luiz Gonzaga, e composições antigas, como O Cravo e a Rosa. Recomendado a partir de 3 anos. Dia 7/9/2016.
    Saiba mais
  • Parques

    Aquário de São Paulo

    Rua Huet Bacelar, 407, Ipiranga

    Tel: (11) 2273 5500

    28 avaliações

    Após uma expansão realizada em abril de 2015, o parque tem como grande atração um casal de ursos polares, vindos da Rússia. Aurora e Peregrino vivem em um recinto climatizado de 1500 metros quadrados. Também são novidades bichos provenientes de regiões como Austrália, África e Indonésia. São cangurus, equidnas, vombates e leões-marinhos. Há ainda lêmures, que ganharam fama com o personagem Rei Julien do filme Madagascar (2005), e suricatos, similares a Timão, do desenho O Rei Leão (1994). Um casal de coalas deve chegar em breve.

    + Conheça as novidades do Aquário de São Paulo

    O ala antiga ainda atrai atenções. Um tanque gigante de 1 milhão de litros de água salgada abriga diversas espécies aquáticas. Para observá-las, adultos e crianças ficam em um espaço que lembra um navio naufragado. Os peixes são vistos através de placas acrílicas quando se olha para a frente ou para o alto.

    Por ali circulam oito tubarões-lixa e o tubarão-mangona Pancho, que tem 1,80 metro de comprimento e pesa 100 quilos. Em outro setor estão mamíferos aquáticos a exemplo de lontras e o peixe-boi Tapajós, ameaçado de extinção e vindo da Amazônia. Por ali, a sensação é de uma visita à Amazônia. O público conhece também reproduções de lugares como a Patagônia, no pinguinário, cheio de aves originárias da região do sul da Argentina. O lago dos jacarés faz uma referência ao Pantanal.

    Saiba mais
  • Musical / Comédia

    Forever Young
    VejaSP
    Sem avaliação
    Além de dirigir, Jarbas Homem de Mello está no elenco da comédia musical Forever Young, escrita pelo suíço Erik Gedeon. Mello, o pianista Miguel Briamonte e os atores Claudia Ohana, Carmo Dalla Vecchia, Paula Capovilla e Marcos Tumura representam a si mesmos em 2050. Quase centenários, vivem em um retiro de artistas sob os cuidados de uma enfermeira hilária, interpretada com louvor por Fafy Siqueira. Cada qual carrega como pode os problemas típicos da velhice: a memória falha, a tosse não dá trégua, a perna dói... Mas nada disso parece um fardo. Com humor, eles se alimentam das boas histórias do passado para vencer os dias cantando e dançando. O caprichado cenário é também uma homenagem aos grandes nomes do teatro nacional. A montagem acerta ainda na preparação corporal e na caracterização dos atores, que surgem quase irreconhecíveis. O ponto alto, contudo, é o talento vocal do elenco. Todos mandam bem, sem exceção, com destaque para Paula Capovilla, a primeira a soltar a voz em I Love Rock’n’Roll (Alan Merrill e Jake Hooker), e Marcos Tumura, que dá um show no pot-pourri que vai de Hey Mister Tambourine (Bob Dylan) a Eu Nasci há 10 Mil Anos Atrás (Raul Seixas). Canção-título da peça, Forever Young, hit da banda alemã Alphaville, também tem vez na trilha. Estreou em 19/8/2016. 
    Saiba mais
  • Com trinta anos de carreira e mais de vinte espetáculos encenados, o Grupo Galpão, de Belo Horizonte, construiu uma consistente carreira teatral, na qual questões sociais e políticas sempre têm vez. Em Nós, dirigida por Marcio Abreu, tal preocupação parece ainda mais latente. Ao redor de uma mesa, enquanto preparam uma sopa, os sete atores da companhia (Antonio Edson, Chico Pelúcio, Eduardo Moreira, Júlio Maciel, Lydia Del Picchia, Paulo André e Teuda Bara) trazem à tona as angústias e incertezas do momento. Recursos cênicos, como a luz e as músicas, a ironia que pontua os diálogos e a repetição sistemática das cenas, que em alguns momentos chega a ser enfadonha, deixam o espectador atônito, é verdade. Mas não há como negar: político e sombrio, Nós é um espetáculo que reflete os tempos atuais. No palco ou fora dele, todos parecem assustados e inertes. Estreou em 18/8/2016. Até 11/9/2016.
    Saiba mais
  • Em seu terceiro ano, o Villa Mix Festival já está no calendário do paulistano fã de sertanejo. Desta vez, a festa muda para o Allianz Parque para atender 40 000 pessoas em doze horas de programação. Bruno & Marrone, Matheus & Kauan, Wesley Safadão, os anfitriões Jorge & Mateus, Luan Santana, Simone & Simaria e Alok são algumas das nove atrações. Espere por efeitos especiais no palco e muita queima de fogos de artifício. Dia 11/9/2016.
    Saiba mais
  • Entre as quinze bandas escaladas para o Maximus Festival está a Halestorm. Ganhadores do Grammy em 2013 por melhor performance de hard rock, eles mostram a faixa Love Bites (So Do I) e as mais pesadas (e recentes) Amen e I Like It Heavy. A programação ainda tem Marilyn Manson, Rammstein e Disturbed. Do time brasileiro, são esperados Far From Alaska, Project 46 e outros. Dia 7/9/2016.
    Saiba mais
  • Quando alguém menciona pop art, nomes como Andy Warhol e Roy Lichtenstein saltam à cabeça. Mas a estética exagerada e colorida não ficou restrita aos americanos. Durante as décadas de 60 e 70, diversos artistas brasileiros foram grandes entusiastas do movimento. Para eles, alta e baixa cultura eram uma coisa só. Explica-se: garrafas de bebida e propagandas publicitárias, por exemplo, eram tão válidas como formas de arte engajada quanto a pintura e a escultura. Nesse sentido, Cildo Meireles usou vidros de Coca- Cola para fazer críticas à política e à mídia. Em 1970, em plena ditadura militar, imprimiu nas embalagens informações sobre como os vasilhames poderiam virar um coquetel molotov e retornou os produtos à circulação. As garrafas fazem parte da nova mostra da Pinacoteca, Vanguarda Brasileira dos Anos 1960, ao lado de obras como o retrato do caubói da Marlboro pintado por Geraldo de Barros. São cerca de cinquenta trabalhos da coleção do banqueiro Roger Wright, que morreu num acidente de avião, em 2009. Desde março do ano passado, 140 obras de seu acervo estão sob a guarda da instituição. De 17/8 a 26/8/2019.
    Saiba mais
  • Ficção científica

    Star Trek - Sem Fronteiras
    VejaSP
    Sem avaliação
    Fiéis admiradores da saga espacial Star Trek, os trekkers foram às nuvens quando a cinessérie ganhou uma bem-vinda repaginada visual em 2009, no filme homônimo dirigido por J.J. Abrams. A continuação de 2013, Além da Escuridão, manteve o entusiasmo. Mas o “desconfiômetro” dos fãs fez barulho quando Justin Lin, cineasta conhecido por fitas da franquia de ação Velozes e Furiosos, foi convidado para comandar o novo episódio da ficção científica, Star Trek — Sem Fronteiras. Perderam a noção? Só em tese, felizmente. Sob a supervisão sempre atenta de Abrams, creditado como produtor, o taiwanês (radicado nos Estados Unidos) dá conta de equilibrar adrenalina e nostalgia, turbinando a fórmula com sequências de perseguição a mil por hora e bom olho para as relações de camaradagem e cumplicidade entre personagens tão queridos pelo público. Desta vez, a equipe do capitão Kirk (Chris Pine) e de Spock (Zachary Quinto) enfrenta uma ameaça alienígena misteriosa (Idris Elba) que danifica a nave USS Enterprise e separa seus tripulantes em pequenos grupos. A falta de impacto desse enredo, bem pouco original, é compensada por um clima ágil e despretensioso, com sabor de um bom episódio de seriado de TV. Estreou em 1º/9/2016.
    Saiba mais
  • É difícil imaginar o que seria do drama Aquarius sem Sonia Braga. É uma interpretação luminosa. Aos 66 anos, a atriz fez por merecer a consagração de crítica no Festival de Cannes, em maio, pelo papel da jornalista Clara, a última moradora do antigo prédio recifense que dá nome ao filme. Pressionada por uma construtora a vender o imóvel, ela recusa a proposta e compra uma guerra. Embora frouxo no ritmo da narrativa e com “vilões” caricatos, o segundo longa de ficção de Kleber Mendonça Filho (de O Som ao Redor) faz um retrato profundo, sem pudores, de uma mulher com nervos de aço. Estreou em 1º/9/2016.
    Saiba mais
  • Coisas muito estranhas

    Atualizado em: 2.Set.2016

Fonte: VEJA SÃO PAULO